O PROFESSOR E HISTORIADOR RONALDO J. SOUTO MAIOR ANALISA BEZERROS NO CENÁRIO REGIONAL

11907167_1223031901056109_4897557209618176593_nO PROFESSOR E HISTORIADOR RONALDO J. SOUTO MAIOR, 74 ANOS, é o nosso entrevistado deste sábado (22). Com ele, damos prosseguimento a nossa série de entrevistas aos sábados, objetivando oferecer aos nossos internautas a oportunidade de conhecer certas nuances da política. Na entrevista, relacionamos Bezerros com o seu passado, buscando entender porque o desenvolvimento não veio para nós na mesma velocidade que apresenta os municípios vizinhos. Ronaldo não titubeou e foi direto na ferida! Além desse aspecto, você vai conhecer um pouco de Ronaldo Souto Maior, que  falou um pouco da sua família, das suas origens e de outras questões históricas relevantes como a preservação da nossa arquitetura. Ainda há, mesmo que subliminar, um recado a classe política de Bezerros. Você confere a seguir: O professor Ronaldo é o nosso 9º entrevistado. Já entrevistamos Nivaldo Santino, Josevânio Miranda, Marcone Borba, Mikhail Gorbachiov, Eugênio do PT, Edgar Lino, Neguinho de Israel e o vereador Gabeira. Vejam os arquivos aqui.

1º-BEZERROSHOJE- O Senhor é um referência em Bezerros por buscar preservar a história do município. Mas gostaríamos de saber mais sobre a família e principalmente sobre a pessoa do professor Ronaldo Souto Maior.

PROFESSOR RONALDO – A família SOUTO MAIOR tem origem em Portugal, quando com o Bloqueio Continental em 1806, Dom João foge para o Brasil, cujo navio tinha como comandante o Vice-Almirante Manuel da Cunha Souto -Maior ( comandante da Nau Príncipe Real ), enquanto a Nau Rainha de Portugal, comandada por Francisco Manoel de Souto – Maior, trazia o restante da família real. Estes, talvez foram os primeiros Souto-Maior que desembarcaram no Brasil. Já em Pernambuco, precisamente em Tejucupapo ( Goiana ) residia o senhor de engenho ANTÕNIO SOUTO MAIOR BEZERRA DE MENEZES, que era casado com Maria da Veiga Pessoa, que tiveram os filhos Mariana, casada com Domingos Albuquerque de Melo Montenegro; Ana, casada com André Dias de Figueiredo, dono do engenho Angico Torto, Maria, casada com Semião Barbosa Cavalcanti, senhor de engenho Gramame, a religiosa Luzia, o padre Antônio, Manoel, José e João. A família Bezerra de Menezes, por causa de suas idéias políticas, era perseguida pelo governo. Os filhos tomaram parte na Revolução de 1817, principalmente o João, que era o mais destemido de todos. Mais tarde um dos descendentes, cessada as perseguições políticas, saiu como mascate, chegando até nossa região – BOCA DA MATA (hoje Sairé, antiga São Miguel), chegando a se casar com uma viúva, Maria das Neves Souto Maior, nascendo entre outros filhos, José Pessoa Souto Maior, que seria meu bisavô.Existe uma variedade no nome SOUTO MAIOR, na Espanha se escreve SOTTOMAYOR, SOUTO-MAIOR, SOUTO MAIOR, mas todos com raízes portuguesa. Assim se tem um pequeno resumo da longa história da família SOUTO MAIOR.

2º BEZERROS HOJE- É inegável a sua adoração por Bezerros, perceptível nas suas várias publicações. Em uma citação na sua rede social descreve: “Sou apaixonado pela minha família e pela minha Bezerros, vivo, sofro, mas não abandono o barco, êta terrinha gostosa”. Qual o dissabor e as virtudes de ser bezerrense?

PROFESSOR RONALDO – Temos mais virtudes, o dissabor é mínimo, mas grave. Muito me orgulho de ter nascido numa bela região, o CAIANA, antigo engenho do meu bisavô, cheia de estórias e histórias, a chuva caindo, pela noite, nos pés de café, um som que guardo até hoje, e lembro-me quando saí para a escola, lá na Primavera – propriedade de Pessoinha e sua filha era professora, caminhava uns trinta minutos para lá chegar, era uma turma boa, todos se juntavam na estrada, com chuva ou sol, para estudar. Concluído o primário, vim para Bezerros, no sobrado de minha avó, fiquei estudando no Cônego Alexandre, onde fui removido da terceira série para a quarta, depois fui fazer o preparatório ao admissão com professora particular, feito exames no Colégio Caruaru, do Dr. Luiz Pessoa, sendo aprovado iniciei o ginasial naquele internato – 1957 -. foi aí, ao entrar no Internato, existia o Grêmio Domingos Sávio, e todo interno novato tinha que, no segundo semestre, apresentar um trabalho sobre a terra de origem. Nas férias de junho, voltando para Bezerros, minha avó relatou muitos fatos de Bezerros, preparei, e voltando das férias fiz a apresentação, sendo bastante aplaudido. Meu primo Ernane Souto Andrade então fez uma pergunta – “por que não faz uma pesquisa sobre Bezerros”? Aquilo ficou na minha cabeça, mas as coisas foram acontecendo de forma natural. Passando o tempo, em 1959 tive uma bruta crise de asma, em fins de novembro, que me levou de volta a Bezerros, e em 1960 fui estudar no Colégio Cenecista São José, colando grau em dezembro do mesmo ano. Neste momento fui convidado pelo Dr. Camelo para ser correspondente do Diário de Pernambuco, quando iniciei a missão de escrever. Como já fazia minhas crônicas na Divulgadora Bandeirante, em 1960, passei a escrever, tanto para a crônica bem como para o jornal. Bezerros já foi uma cidade que fazia gosto de sair às ruas, ir a Estação Ferroviária, ver o trem chegar e partir, pessoas saltavam, outras embarcavam, os carros de praça, ali de plantão, esperando pegar uma corrida para a então Vila São Miguel ou mesmo para Camocim, era a vida girando, ou mesmo ir até ao CLUBE DO LIVRO da saudosa Aliete Neri, as festas de fim de ano, o Teatro ou cinema doméstico de Carlos Guerra, as cavalhadas de José Torres, que atraiam as atenções do povo, sempre aos domingos, as grandes partidas de futebol do Botafogo( de Frederico Pontes ) e Brasília ( de José Gomes ), e de repente, hoje, toda essa beleza morreu, nem os jornais editados em nossa cidade, como o Porta-Voz de Nilo Amorim, Jornal da Noite de um grupo de jovens, A Época de Salviano Machado, depois pertencendo a Antonio Bertino, é triste hoje vivemos um triste momento, uma cidade SEM VIDA, desprovida dessas coisas tão boa.

3º- BEZERROS HOJE – A internet tem mudado os hábitos dos novos leitores. A imprensa impressa tem sentido o baque mundialmente e a tendência é que muitos periódicos deixarão de circular. Como o senhor avalia essa nova plataforma de comunicação? A cultura perde com essa mudança?

PROFESSOR RONALDO – Enquanto os jornais interioranos forem editados se pensando em lucro, irão afundando, o jornal do interior é um instrumento cultural, bem informando à sociedade, tem-se que solicitar das forças econômicas – comércio e indústrias -, fazendo suas publicidades, aí sim, terá condições de sobreviver, mas, antes de tudo, terá a necessidade de muita garra. A cultura direcionada pela internet, na verdade tem um limite, não alcança um universo, pequena parte ganha o benefício, mas não oferece oportunidade de vc ler algo importante em longo prazo, ao contrário do jornal, ele está ali, no arquivo, a qualquer momento temos a nossa disposição.

4º-BEZERROSHOJE- Bezerros é uma cidade ainda com vários prédios arquitetônicos, mas, vez por outra, assistimos passivamente a transformação de faixada desses prédios. Há uma lei que trata da preservação desses patrimônios mesmo sendo de propriedade privada? Quem é negligente nesses casos?

PROFESSOR RONALDO- Vejamos com as coisas tornam-se engraçado, o Instituto de Estudos Históricos, Artes e Folclore dos Bezerros consta na Lei Orgânica do município dos Bezerros com a missão de proceder ações na área de proteção ao patrimônio, como consta no Capítulo III – da Educação, da Cultura, do Desporto e do Lazer, Seção I – Da Educação, no Art.117 que diz – “O Instituto de História de Bezerros fica considerado de utilidade pública a partir da promulgação desta Lei Orgânica”. No parágrafo único diz – “O tombamento e a proteção do patrimônio histórico ficará sob a responsabilidade do Instituto de História de Bezerros”. Os legisladores só se preocuparam em repassar a demanda de defender o patrimônio ao Instituto, mas esqueceram que para essa finalidade o Instituto necessita de uma série de requisitos para cumprir a missão, advogado, engenheiro, e o principal, verba para o custeio da demanda. É engraçado, parece que tudo é fácil, mas o mais necessário não apresentam.

5º- BEZERROSHOJE-  Bezerros e Caruaru tem praticamente as mesmas datas de emancipação política, apenas 13 anos as separam no calendário. O senhor costuma dizer que Bezerros já foi o odeon do agreste (pelas publicações) e que tinha sua paróquia (freguesia) desempenhando uma grande influência em toda a região. É possível fazer uma analise paralela do desenvolvimento dos dois municípios. Por que ficamos tanto para trás? 

PROFESSOR RONALDO – BEZERROS x CARUARU – ainda acrescento GRAVATÁ, que foi nosso Segundo Distrito, e em 1881 a Lei 1560 de 30 de maio, cria a Vila de Gravatá, sendo emancipada em 1883, instalada no dia 9 de janeiro de 1883. Faço esta citação para, juntarmos CARUARU / BEZERROS e GRAVATÁ, e a partir daí, estudarmos os desenvolvimentos dos três. Vamos inicialmente ver CARUARU, cuja sociedade sempre demonstrou uma tendência bairrista, e os políticos – cujos grupos sempre foram rivais ao extremo, mas cumprem uma política progressista – exemplo – o prefeito X constrói uma praça em um determinado bairro – quando o adversário assume, procura fazer uma melhor, em outro local, assim, pouco a pouco a cidade vai ganhando na sua aparência; enquanto isso, aqui em nossa terra, se faz algo, quando o adversário assume, desmancha e faz outra coisa no local, é o que temos visto, quantas vezes a praça Duque de Caxias – ou da Matriz – foi desmanchada? Sinceramente, é inacreditável!!! O fator Gravatá é bem diferente, os prefeitos teem mostrado interesses na melhoria da cidade, cresceu, o investimento particular também influiu, aliás, o que agora está acontecendo com nossa Bezerros.

6º-BEZERROSHOJE-O Senhor concorda com a afirmativa que o ex-prefeito Lucas Cardoso (já falecido) deu uma identidade ao município de Bezerros?

PROFESSOR RONALDO – Na verdade, na área turística o Dr. Lucas abriu uma grande estrada para o turismo, através dos grupos carnavalescos, o carnaval, Bezerros explodiu. Hoje estamos assistindo como nossa terra está conhecida no sul do país. Uma forte referência sem dúvida!

7º BEZERROSHOJE- Na sua opinião, o que falta  para nos restabelecermos de vez em nossa região como a história já nos conferiu? Os nossos políticos têm tido essa preocupação?

PROFESSOR RONALDO – Os políticos em geral não fazem milagres, a nossa mudança está na cultura do povo, um time de futebol não vence uma partida só dependendo de um jogador, a equipe é quem pesa POVO-GOVERNO-POVO, aí está a solução para nosso desenvolvimento, partidarismo só tem um – BEZERROS!

8º-BEZERROSHOJE – O Sr. está concluindo o 3º Volume do Livro, Bezerros Seus Fatos e Sua Gente, tratando mais dos assuntos contemporâneos. Fundou o Instituto de Estudos Históricos, Arte e Folclore de Bezerros e a Academia de Letras, Artes e Ofícios Municipais de Pernambuco. Isso demonstra a sua preocupação para a preservação da nossa história. O Sr. formou alunos nesse sentido?

PROFESSOR RONALDO – Hoje não dispenso o meu título, que o tenho com orgulho – PROFESSOR – uma prova está aí, no Facebook, no Livro Aberto, mantenho AULAS DE HISTÓRIA MUNICIPAL ( Bezerros ), lembro-me que na Escola Getúlio de Andrade, assim que adentrei, com a Diretora da época , Professora CONCEIÇÃO LUCENA, fundamos um Grêmio estudantil, justamente para incentivar os alunos ao diálogo, apresentar suas idéias, incentivar a leitura, buscar respostas, e hoje, mesmo fora das salas de aulas, sempre estou, gratuitamente, fazendo palestras nas nossas escolas, só assim, mudaremos e veremos a vida com mais responsabilidade.

9º-BEZERROSHOJE- Suas considerações finais…

PROFESSOR RONALDO – Quero agradecer a você Flávio Melo, e dizer que o terceiro volume de nossa história está se vestindo, espero que, como temos pessoas bem capazes, surjam novos historiadores, que procure-se zelar pela documentação hodierno, caso contrário vai ser difícil coletar dados da atualidade, para daqui a cinquenta anos se escrever a HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA!!!!!

Bezerros/PE., 20/08/2015. 00.08hs.

Share

“Nem Bezerros pertenceu a Caruaru nem Caruaru a Bezerros”, diz prefeito em entrevista a canal web

Prefeito falou  um pouco sobre a sua história e da sua administração. Disse fazer uma administração, mas não a que gostaria. Exaltou as atrações de indústrias e falou pela primeira vez sobre o projeto Cidade da Compras, projeto que pode vir para Encruzilhada de Bezerros. Destacou a saúde e a segurança como setores deficientes. A entrevista foi vista até agora por 21 internautas, mas com a publicação no site a tendência que outras dezenas de bezerrenses possam visualizá-la.

Share

O ENTREVISTADO DESTE SÁBADO É O PROFESSOR E HISTORIADOR RONALDO SOUTO MAIOR

522140_629958460468375_7185895324038682661_nDando prosseguimento a nossa série de entrevistas, sentimos a necessidade de ouvir a opinião do homem que é a nossa maior referência quando falamos da preservação da nossa história, o professor e historiador Ronaldo Souto Maior. A ideia é relacionar Bezerros com o seu passado, tentar entender porque o desenvolvimento não veio para nós na mesma proporção dos municípios vizinhos de Caruaru e Gravatá. Ronaldo não titubeou e foi direto na ferida! Além desse aspecto, você vai conhecer um pouco de Ronaldo Souto Maior, que  falou um pouco da sua família, das suas origens e de outras questões históricas relevantes, como a preservação da nossa arquitetura. Ainda há, mesmo que subliminar, um recado a classe política de Bezerros. A entrevista pode ser conferida neste sábado (21).

Share

José Santiago recebe homenagem na biblioteca pública de Bezerros

SAM_6846 SAM_6854Neste sábado, dia 08 de agosto de 2015, aconteceu no prédio onde funciona a Biblioteca Pública Municipal Vereador José Santiago Filho, uma homenagem ao bezerrense de Sapucarana, que exerceu várias funções públicas na cidade e na zona rural do município, dentre elas,  vice prefeito de Bezerros, presidente da Câmara de Vereadores e escrivão do comissariado do distrito de Sapucarana.

SAM_6852A homenagem foi uma ideia de uma das filhas de José Santiago, e contou com presenças de familiares, amigos e convidados, inclusive da secretária de educação de Belo Jardim-PE, a advogada  bezerrense e filha do homenageado,  Elizabete Maria Gomes e do historiador e jornalista Ronaldo Souto Maior; foi uma homenagem também a todos os pais bezerrenses, que contou com todo o clã, mais próximo da família Santiago, um bezerrense que entrou para a história por ter prestados inúmeros serviços ao povo bezerrense, em todas as funções públicas, por ele exercidas.

Share

SOBREVOANDO BEZERROS NA DÉCADA DE 90

Muitos bezerrenses devem lembrar dos voos panorâmicos de um ultraleve nos céus de Bezerros. As imagens resgatadas pela ADP Produções nos remete a essa recordação ainda nos início dos anos 90, a diferença é que você terá agora visão que os tripulantes tinham da cidade lá do alto.

Share

MATANDO A SAUDADE: A FEIRA DA VIDA:

11329828_663732390424315_6350187692147838799_nNa feira de minha íntima cidade, / há tempos comprei muita ilusão, / e hoje o grande balaio da saudade / guarda tudo, inclusive o coração. / Mulher rendeira, festa, casamento, / batizado, figuras mil de barro / cantam hoje em tristíssimo lamento / como flor morta que ficou no jarro. / Tinha também, na feira, o violeiro, / o boi, a vaca e até o delegado, / mas eu admirava era o vaqueiro / que aboiava, nostálgico, o meu gado. / A feira era pequena, é bem verdade, / mas tinha repentista e embolador / cantando versos tristes de saudade / e cantando também a minha dor. / Havia remédio pra qualquer doença, / folhetos com romances vãos de amor, / e a tudo aquilo o povo dava crença / arrodeando o pobre vendedor. / De tarde, já na hora do sol pôr, / o povo, como autômato, ia embora, / deixando a boa feira com a dor / de botar frutas e legumes fora. / Mas, eis que aquele resto de mangaio / foi com o tempo se amontoando / nos caçuás do meu cavalo baio / que hoje vive como alma, penando. / Na feira ingente de minha amargura, / oferecendo, sem ninguém levar, / tomates, laranjas e verduras / dos roçados sem fim do meu penar. / E assim a minha vida foi ficando / do mesmo jeito da feira acabada, / cantandor triste que se vai cantando / a poesia da vida magoada. / E cavalgando meu cavalo baio, / tangerino sem amor, sem nada, / eu hoje sou apenas o mangaio / perdido em meio da feira acabada….
( Do livro ALTER EGO, Ed.1996 – Ronaldo José Souto Maior, com apresentação do escritor MANUEL DE BARROS. Edição do IEHAFB.

Share

DIVULGADO RETRATO FALADO DE ACUSADO DE ESTUPROS EM RETIRO DE CARNAVAL EM BEZERROS

suspeito_abuso-300x135

O Disque-Denúncia Pernambuco divulgou o valor da recompensa nesta sexta-feira (27), juntamente aos retratos falados do homem, confeccionados pelo Instituto de Identificação Tavares Buril. “Apesar das imagens diferentes conseguidas a partir das vítimas, todas são representações do mesmo suspeito. O caso está sendo investigado pelo delegado Antônio Dutra”, informa o departamento de Comunicação do DDPE.

Quem tiver dados pode passá-las pelos telefones (81) 3719-4545, no interior, ou (81) 3421-9595 nas demais localidades do estado. Também está disponível o site da instituição, onde a população pode enviar fotos ou vídeos que contribuam às investigações. O departamento de Comunicação informa que “o serviço funciona durante 24h, todos os dias da semana. O anonimato é garantido”.

G1 Caruaru

Disque-Denúncia oferece recompensa de R$ 3 mil para informações sobre suspeito de estupro em Bezerros

O Disque-Denúncia de Pernambuco está oferecendo uma recompensa de até R$ 3 mil para quem tiver informações que ajudem a localizar o suspeito de abusar sexualmente de cinco mulheres em um retiro espiritual em Bezerros, no último dia 17, no interior do Estado.

A superintendente do Disque-Denúncia, Carmela Galindo, espera que o suspeito seja reconhecido o quanto antes. “Através do oferecimento da recompensa, esperamos recolher informações que ajudem a esclarecer esse caso. Principalmente pelo fato de termos retratos falados do suspeito, a participação da comunidade pode ser fundamental na identificação e localização”, explica.

Jornal do Commercio

Share

ARQUIVO: MENSAGEM DE EX-PREFEITO MARCOU A CHEGADA DE 1999

LUCAS CARDOSOO ex-prefeito Lucas Cardoso (já falecido) usava os microfones de uma emissora de Caruaru para saudar os bezerrenses para o novo ano que se aproximava (1999). A gravação foi repassada ao bezerroshoje pelo Absoluto Som Studio ainda no início deste ano. A redação resolveu  guardar o material para um momento oportuno. Uma recordação que, com certeza, deve emocionar muitos admiradores do ex-prefeito. Lucas faleceu três anos mais tarde, em 2001, deixando um legado de ações que até hoje marca a história sociocultural e econômica do município. A Folia do Papangu e o tursimo em Serra Negra são exemplos disso.

No áudio abaixo, o ex- prefeito falava sobre o balanço de final de ano e também sobre o fim da tradição do apagar da luzes.

Share

DEPUTADOS DESTACAM EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE BEZERROS

Os deputados estaduais Ricardo Costa e Aluízio Lessa destacaram Bezerros na Assembleia Legislativa de Pernambuco por conta do aniversário de 144 anos de emancipação política, comemorado no próximo dia 18. Ricardo apresentou votos de congratulações, enquanto que Lessa apresentou votos de aplausos.

“Bezerros é localizado no Agreste Central de Pernambuco, distante 107 km do Recife. O município oferece atrativos para os apreciadores da cultura popular. Às margens da BR 232 estão localizados o ateliê do artista Jota Borges e o Centro de Artesanato do Agreste, um centro de referência da arte popular pernambucana. No carnaval os coloridos papangus invadem as ruas da cidade atraindo muitos visitantes. Já os amantes da ecologia e dos esportes radicais podem aproveitar Serra Negra, uma das regiões mais bonitas e agradáveis do estado que fica a menos de dez quilômetros do centro da cidade de Bezerros. Portanto na passagem de mais um aniversário desse município pernambucano, envio os parabéns, a fim de prestar esta justa homenagem. Considerando como plenamente justificado, só nos resta solicitar dos nossos ilustres pares nesta Casa Legislativa, sua necessária aprovação, no intuito do seu atendimento”, diz um dos deputados em  sua justificativas.

EVENTO: A programação de show’s alusivo a festividades de emancipação política ainda não foi divulgada pela Prefeitura.

Share

REGISTRO

ELEIO_~1Imagem da campanha política de 1986, onde discursava o Dep. Federal Inocêncio Oliveira ao lado do então candidato ao governo, José Múcio Monteiro, hoje Ministro do TCU e do candidato a Dep. estadual Severino Otávio, atual Prefeito de Bezerros. Foto registrada em comício realizado em alguma cidade do Sertão do Pajeú.

pedro_hamorim@hotmail.com
Share

SOBRE TEÓFILO TEIXEIRA DE CARVALHO

“AGRADECIMENTOS”

Os tempos são longínquos, final da década de 50. TEÓFILO TEIXEIRA DE CARVALHO, o homem do Cavalo conquista a 1ª das três vereanças lhe outorgadas pelo povo de Bezerros (59 a 63 – 68 a 72 – 77 a 82).

Em 1964 é eleito Vice-Prefeito de Alcides de Andrade Lima, época em que o voto era desvinculado. Assume como Prefeito durante um ano (agosto de 1967 a agosto de 1968). Período marcado pela realização de obras como a ponte da Avenida Capitão Eulino Mendonça, a ponte de Insurreição, reforma da Praça Duque de Caxias, antigo Matadouro e Escolas…

Passa-se o tempo nunca o legado, jamais a história.

E o homem do Cavalo, aos 90 anos, 9 meses e 12 dias, volta ao plenário da Câmara Municipal, não mais para usar com veemência a tribuna, mas, para no silêncio concebido pela promessa de vida eterna, receber as homenagens da despedida final.

Beatriz Olegaria de Carvalho e Familiares agradecem aos parentes e amigos presentes.

Jônio Bezerra de Carvalho.

Share

REGISTRO

O LOCAL QUE MAIS AMO, RUA DA MATRIZ, VENDO-SE A NOSSA IGREJA-MATRIZ DE SÃO JOSÉ, DE TANTAS HISTÓRIAS, UM FORTE PEDAÇO DE NOSSA HISTÓRIA, AINDA SEM A PRAÇA, terreno livre de chão batido. Alí, no sobrado 104 (infelizmente demolido) vivi boa parte de minha infância, a partir de 1959. Rua à qual prestei homenagem escrevendo minhas crônicas com o título NA PRAÇA DA MATRIZ (1981).

POR RONALDO SOUTO MAIOR

Share

INTERNAUTA PREOCUPADO COM PRESERVAÇÃO DE PRÉDIOS HISTÓRICOS DE BEZERROS

Geraldo Júnior
E-Mail gfs.jr@bol.com.br
Assunto Casario antigo
Mensagem Prezado Editor, Com referência a reportagem “Voltando pra casa” exibida no programa do Ratinho, com destaque para a ênfase dada as fachadas do casario antigo existentes no centro de nosso município – inclusive me lembro de já ter visto muitas outras matérias em jornais impressos e até mesmo em sites que retratavam esta mesma temática – coincidentemente estive esta semana nos municípios pernambucanos de Floresta e Belém do São Francisco, onde constatei uma fascinante tendência de preservação dos imóveis históricos destas cidades, notadamente do conjunto arquitetônico das casas que, acredito, formaram/iniciaram o seu núcleo habitacional, e que são de uma beleza construtiva ímpar. De modo que gostaria de instigar nossos legisladores/gestores a tratarem (sendo certo que não tenho certeza da existência ou não de legislação municipal que já trate deste assunto)da possibilidade do poder público intervir, a bem do interesse coletivo e cultural, na propriedade privada, no sentido de não permitir que os proprietários de imóveis que detenham relevante valor paisagístico/arquitetônico, promovam mudanças drásticas nas fachadas de tais casarões antigos e, por que não dizer, até mesmo incentivar/auxiliar, através de instrumentos cabíveis, estes mesmos proprietários na preservação e restauração desse nosso patrimônio de relevante valor histórico e cultural(digo nosso embasado, principalmente, em reportagens como a retratada acima, as quais não deixam dúvidas do potencial turístico que tal medida pode promover).
Share

REGISTRO HISTÓRICO

Foto: ESTA FOTOGRAFIA É RARÍSSIMA!  Meu professor de História do Curso de Pós-Graduação pelejou para ficar com ela, até hoje não apareceu uma igual - pode ser que agora com sua divulgação - o proprietário reconheça seu valor e importância, faça aparecer uma semelhante -, trata-se de um momento político bem histórico: Foi o COMÍCIO DO CAPITÃO JOÃO ALBERTO, EM MARÇO DE 1934, PARA DEPUTADO CONSTITUINTE DE PERNAMBUCO. Quem estudou História do Brasil deve conhecer a história desse homem! Para essa relíquia não tem preço!!ESTA FOTOGRAFIA É RARÍSSIMA! Meu professor de História do Curso de Pós-Graduação pelejou para ficar com ela, até hoje não apareceu uma igual – pode ser que agora com sua divulgação – o proprietário reconheça seu valor e importância, faça aparecer uma semelhante -, trata-se de um momento político bem histórico: Foi o COMÍCIO DO CAPITÃO JOÃO ALBERTO, EM MARÇO DE 1934, PARA DEPUTADO CONSTITUINTE DE PERNAMBUCO. Quem estudou História do Brasil deve conhecer a história desse homem! Para essa relíquia não tem preço!!

Por Ronaldo Souto Maior

Share