GABEIRA: “Em 2016 poderemos ter uma surpresa na majoritária”

Sem título
Gabeira enviou as respostas via rede social, assim como os demais entrevistados da série

O bezerroshoje.com segue entrevistando personalidades políticas de Bezerros. A seguir, confira a entrevista com o vereador e líder do governo na Câmara, José Ailton de Carvalho, o Gabeira (PSDB), 40 anos.  Gabeira responde perguntas sobre a sua história política, as acusações enfrentadas ao longo da campanha eleitoral, o cenário e as estratégias do seu partido para 2016 no município. A série de entrevistas está sendo a sensação do cenário político eleitoral e já entrevistou Nivaldo Santino, Josevânio Miranda, Marcone Borba, Mikhail Gorbachiov, Eugênio do PT, Neguinho de Israel e Edgar Lino Ferreira. Para conferir as outras entrevistas da série, clique aqui

BEZERROS HOJE- 1- O Sr. é filho do ex-vereador, que foi vice-prefeito e prefeito Teófilo Texeira de Carvalho, falecido recentemente. Sua militância política advém da história do seu genitor?

VEREADOR GABEIRA – Amigo, cresci vendo e ouvindo meu pai falando e fazendo política de uma forma honesta, verdadeira e se preocupando sempre em cuidar das pessoas. Era uma época em que se acreditava na palavra de um homem público, logicamente senti que era aquilo que queria pra mim. No decorrer dos anos observei que poucos faziam a política da maneira que meu pai fazia e isso mim deixava triste. Um dia no Colégio Cenecista São José estava conversando com o professor e diretor Ronaldo Souto Maior, hoje um grande historiador da nossa cidade, reclamando de como estava decepcionado com os políticos de Bezerros e ele mim disse: “ora, se você não está gostando, se candidate e vá representar o povo da forma que você acha que deve ser”, e naquele momento eu decidi que no futuro iria disputar uma vaga no legislativo e continuar fazendo a boa política com compromisso com a população e falando sempre a verdade, doa a quem doer. Tive um grande exemplo em casa, mas você tem que gostar e se dedicar ao máximo na vida pública.

BEZERROS HOJE- 2- O senhor enfrentou uma eleição para vereador muito difícil, adversa no sentido de ter  que provar sua inocência diante de grave acusação da PF. Acabou sendo o  terceiro vereador mais votado do pleito, com 1344 votos como explica esse feito?

VEREADOR GABEIRA – Houve um episódio onde é publico e notório a acusação que a mim foi levantada. Graças a Deus que a justiça é plena e o próprio juiz que assinou aquela acusação voltou atrás reconhecendo aquele grave erro. Foi um momento muito difícil, mas também gratificante porque as pessoas entenderam aquele momento e foram altamente solidárias, tanto é que a minha eleição acabou sendo a surpresa para muitos, porque para mim e para os meus eleitores era a certeza da consolidação de um trabalho que desenvolvi durante anos.

Desde 2005 que venho fazendo um trabalho junto às comunidades: construir no Loteamento Romã Rosa o Clube de Futebol Society ( realizando várias atividades esportivas como torneios, campeonatos, escolinhas de futebol no intuito de ajudar os nossos jovens); em 2008 participei da minha primeira eleição e obtive 424 votos ficando na suplência. Continuei a trabalhar junto às comunidades carentes tentando de uma forma ou de outra ajudar a população.  Em 2009 estive também engajado na luta por melhorias no Loteamento Santana, onde conseguimos levar água da Compesa em todas as casas da parte baixa, depois conseguimos levar energia para parte de cima e daí foi surgindo às parcerias com muitos amigos, verdadeiros irmãos camaradas em várias outras localidades de Bezerros, inclusive na zona rural.

BEZERROS HOJE- 3-É inegável a sua ascensão na política de Bezerros, principalmente por ser um vereador bastante articulado. Assumiu a liderança do governo na Câmara, mas também não deixa de fazer suas observações críticas ao próprio governo. É difícil ser líder deste governo? 

VEREADOR GABEIRA – Amigo ser líder do Governo pra mim foi o maior presente depois das eleições, porque eu gosto de fazer política e de estar presente no dia a dia da administração para poder ajudar e defender os interesses da população. Dessa forma se torna fácil pra mim, existe um respeito mútuo onde sempre sou direto e espontâneo, sei ouvir e falar quando preciso for. O prefeito sabe como quero que sua administração der certo,  por isso tenho a liberdade de dizer a ele o que acho que está errado de forma propositiva, pois nenhum prefeito sabe de tudo que acontece na sua administração.

BEZERROS HOJE- 4- O Sr. chegou a pleitear a presidência da Câmara, mas acabou declinando do projeto. O que houve?

VEREADOR GABEIRA – Realmente coloquei meu nome a disposição, pois existia uma candidatura que não era consenso na casa. Acontece que houve uma mudança na Lei Orgânica dando direito a reeleição ao atual presidente. Com isso, naturalmente que a minha postulação ficou inviabilizada, pois somos da mesma base política do prefeito e achei melhor permanecer como estava.

BEZERROS HOJE- 5- Comenta-se que o Sr. vai a reeleição, inclusive com grandes possibilidades. Qual o seu posicionamento em relação ao aumento de número de vagas no legislativo?

VEREADOR GABEIRA – Com certeza quero continuar o meu trabalho junto à população e coloco a disposição para o pleito de 2016. Hoje sabemos que existe um movimento de possíveis candidatos a vereador em barrar os atuais vereadores em suas coligações ou partidos, tirando assim a chamada calda eleitoral, logicamente isso desperta na Câmara uma medida de retaliação em não aumentar o número de vagas. Com isso quociente eleitoral permanecerá alto e dificultando assim a vida dos partidos com menor potencial de votos. Tivemos um grande exemplo disso quando nas eleições de 2004 o grupo da Mocó saiu em quatro chapões elegendo assim apenas dois vereadores, que foram Cáca e Tom) e os outras três coligações não conseguiram atingir o quociente eleitoral. Já a maioria dos candidatos da chapa adversária que se organizaram em apenas dois grupos e conseguiram eleger oito vereadores, ou seja, a tese que não é bom ter vereador no grupo cai por terra. Eu, particularmente, na eleição passada fui para disputa com quatro vereadores e um ex vereador que vinha da disputa de vice-prefeito, que foi Nivaldo Santino. O resultado disso é que sou hoje vereador legitimamente eleito pela população. Mas quanto as vagas sou a favor, pois quanto mais representantes na Câmara maior será a representatividade da população, até porque não altera em nada o duodécimo, por isso sou a favorável do aumento das quinze vagas.

BEZERROS HOJE- 6- Como o seu partido, o PSDB, encara o pleito de 2016? Quais as estratégias tanto na majoritária quanto na proporcional? 

VEREADOR GABEIRA – O PSDB é o maior partido de oposição no cenário nacional, que vem crescendo a cada eleição em nossa cidade, tínhamos uma relação muito boa com o saudoso Sérgio Guerra, que era o presidente nacional do partido. Temos uma reunião agendada com a estadual e com o vice-presidente nacional, onde discutiremos o rumo da legenda em nosso município. O que já foi definido previamente e nacionalmente pelo PSDB é que iremos fazer parte da majoritária em cidades acima de 50 mil habitantes, já visando às eleições presidenciais de 2018. Lembrando que em 2012 recebemos o convite para indicar o vice na chapa majoritária do atual prefeito, mas achamos que não era o momento e resolvemos disputar as eleições na proporcional. Dois anos e sete meses se passaram e naturalmente novos nomes vem surgindo pleiteando a vereança e apostamos no potencial de nosso grupo.

BEZERROS HOJE- 7- Na sua avaliação, qual o real quadro que se desenha para as eleições de 2016. O governo fará o sucessor, haverá um racha ou se repete a chapa vitoriosa em 2012?

VEREADOR GABEIRA – Em 2016 poderemos ter uma surpresa na majoritária. O nosso prefeito diz que não vai a reeleição, porém o governador precisa e não abre mão do projeto de Eduardo Campos em manter Branquinho prefeito de Bezerros. Nós ficamos muito para trás nas últimas décadas em relação às cidades vizinhas de Caruaru e Gravatá. Agora os investimentos começaram a chegar em nossa cidade, são grandes indústrias como a Herval, Grupo Santa Luzia e o projeto Cidade das Compras que, se confirmado, revolucionará a nossa economia. O que a população tem que entender é que a política é coisa séria, quando a oportunidade chega, temos que agarrar com a certeza que o nosso projeto será coletivo, pois estamos lidando com a vida de todos os munícipes e que não basta apenas ser vaidoso. É preciso amar o que se faz, se entregar por completo, ser participativo e está junto ao povo, sentindo as suas dificuldades e ter a coragem para mudar. Não podemos retroceder!

Eu acho que em 2016 a Câmara Municipal deveria indicar um nome que pudesse compor a chapa majoritária, temos onze vereadores que foram eleitos pelo povo em diversos segmentos e o que tiver a maior representação popular deve sim colocar o seu nome a disposição do processo.

BEZERROS HOJE- 8- Suas considerações finais…

VEREADOR GABEIRA – Queria agradecer primeiramente a Deus pelas inúmeras provações que ele tem me dado. Ao site bezerroshoje pela oportunidade de expor aqui a minha opinião e os meus trabalhos, que constantemente tem o reconhecimento da mídia local e dizer a todos os bezerrenses que a política é o principal caminho para ajudar a mudar a vida das pessoas. Nós devemos acreditar sempre que a mudança chega. O que devemos é ter cuidado para não fazermos escolhas erradas, que podem refletir nos anos seguintes. O projeto que deve ser inserido em Bezerros é o do comprometimento com as pessoas sem distinção de classe social, cor ou partido. Novos tempos chegam e com ele novas pessoas com novas idéias, que contribuem com o desenvolvimento sócio cultural e econômico do município. Em 2016 continuarei sim a disposição do nosso povo e da nossa querida e amada cidade.

 

Share

LÍDER DO GOVERNO NA CÂMARA É O NOSSO ENTREVISTADO DESTE SÁBADO

gabeiraO bezerroshoje.com segue entrevistando personalidades políticas de Bezerros. Neste sábado (15), será a vez do vereador e líder do governo na Câmara, José Ailton de Carvalho, o Gabeira (PSDB).  Gabeira responde perguntas sobre a sua história política, as acusações enfrentadas ao longo da
campanha eleitoral, o cenário e as estratégias do seu partido para 2016 no município. É difícil ser líder do governo? A resposta para essa e outras perguntas você acompanha neste sábado. A série de entrevistas está sendo a sensação do cenário político eleitoral e já entrevistou Nivaldo Santino, Josevânio Miranda, Marcone Borba, Mikhail Gorbachiov, Eugênio do PT, Neguinho de Israel e Edgar Lino Ferreira.

Share

EDGAR LINO FERREIRA “Aprendi na vida pública que nem sempre o adversário politico é o pior. Por diversas vezes pude notar que meus adversários me surpreenderam com grandes realizações”

11755706_10203256797979017_6405041051201617388_nDando continuidade a série de entrevistas com personalidades da política local, entrevistaremos neste sábado (07) o advogado e jornalista Edgar Lino Ferreira, 70 anos.  Edgar é paulista da cidade de Piquete, casado com a professora e ex-vereadora de Bezerros Rosa Soares, com quem tem duas filhas. Veio a Bezerros no ano 2000,  a convite do então pároco de São Sebastião Miguel Ângelo, seu sobrinho. Na época, a tarefa era defender a emissora comunitária Maria FM, que enfrentava dificuldades quanto a sua legalidade. Edgar é uma figura marcante no cenário político e social por defender ações em prol da coletividade. Mesmo elencando inúmeros admiradores, há muitos críticos que tentam desqualificá-lo quando o assunto é Bezerros. E é envolta dessa personalidade ‘polêmica’ que faremos as nossas indagações.  Para ver as últimas entrevistas da série, clique aqui. Já foram entrevistados Nivaldo Santino, Josevânio Miranda, Marcone Borba, Mikhail Gorbachiov, Vereador Eugênio do PT e Neguinho de Israel. Leia as entrevistas e forme a sua própria opinião.

1º- BEZERROS HOJE – O Sr. veio a Bezerros para uma missão profissional e acabou firmando laços com o município, onde inclusive chegou a pleitear uma vaga de vereador. Mas como ficou sua história política na sua cidade natal, onde inclusive foi legislador? 
EDGAR LINO – Deixei minha cidade natal, após longos e bem vividos dias de minha vida. Fiz tudo que pude por aquela localidade: Fui vaqueiro, tirador de leite, na fazenda de meu saudoso pai. Eram 180 litros tirados todos  os dias. Após,  caixeiro despachador de compras de gêneros alimentício em um grande armazém da família. Trabalhei em uma padaria de meu irmão e fazíamos pão logo nas primeira horas da madrugada. A entrega era em cestas, nas casas dos fregueses  ainda quentinhos. Estudei e me formei professor e lecionei por 6 anos . Meus alunos daquele tempo hoje são avós. Com o apoio popular somente com dinheiros de festas e contruimos  a escola do Bairro do Passa Quatro. Linda, grande e bem espaçosa,   na proximidade do maior pico do Estado,  o Pico  dos Marins,  com 2 492 m de altitude. A seguir fui taxista para fazer renda e pagar os débitos que restaram da construção da escola. Em seguida trabalhei na capital – na secretaria da fazenda. Retornei a Piquete onde me estabeleci como comerciante, onde aposentei-me. apos 30 anos. Antes porém, estudei e me formei Corretor de Imóveis, cursei jornalismo no Rio de Janeiro, tive como professor os pernambucanos Barbosa Lima Sobrinho e Austregésilo de Ataide, presidente da Academia Brasileira  de Letras. Em minha cidade natal fui vereador. Consegui grandes realizações: a fundação do maior clube da cidade, Montanhês Clube, até hoje ativo. Fundei o Clube da Terceira Idade.  Fui Rotariano,  por 26 anos, onde exerci por quatro vezes a presidência. Fui presidente da Associação Comercial local, por 11 anos consecutivos. Em minha vida naquela cidade acumulei muito cargos de voluntariado e não me arrependo, tendo sido Vicentino por longos anos, na conferencia de São João Bosco. A seguir mudei -me para o nordeste onde até hoje permaneço com proposta decidida de permanecer para educar minhas filhas e tentar dar contribuição em experiencia administrativa  municipal para a melhoria da situação de vida dos bezerrenses. Observei que aqui  não basta ter prestigio e realizações, pois fui candidato a vereador após  ter ocupado a secretaria da agricultura no tempo de Dr. Lucas, tendo dado muito apoio a uma rádio comunitária local em seus piores dias e coordenador na distribuição da verba do  projeto bolsa renda, hoje bolsa família, mesmo assim não houve visão popular de que pretendia fazer muito mais pela cidade sendo vereador. Obtive honrados 250 votos. Claro – não me elegi.  Porem continuei como se estive sido eleito, isto é, trabalhando em tudo que um vereador deve fazer pela comunidade. Vereando a toda a prova – 24 horas por dia  e em todos os dias da semana.  É o que gosto de fazer. Penso e acho que nasci para isso. Voluntariado em primeiro lugar. Desejaria que todos os políticos tivessem este espirito pelo bem da cidade.
2º- BEZERROS HOJE- O Sr. foi secretário no governo do ex-prefeito Lucas Cardoso (já falecido), época em que coordenou o Programa Bolsa Renda do Governo Federal. Levou inclusive o nome do programa como referência a sua pessoa quando candidato a vereador, em 2004. Costuma dizer que também influenciou na realização do primeiro São João da Serra Negra. Comente: 
EDGAR LINO – No ano de 2 00l, na proximidade de junho, mês de São João, não aceitei que Caruaru fosse o dono do São João regional. Bezerros ficava vazia deste evento.  Quando via os bezerrense indo  para aquela cidade em lotação me doia na cabeça. Lancei a idéia, para minha mulher – Rosa, Secretaria do Turismo na época, em realizar a nossa festa junina. A maioria  dos funcionários  daquela entidade foram contra.  Claro: Não queriam trabalhar  me ajudar a levar adiante a proposta. Porem obtive o aval positivo de Dr. Lucas,   de fazer o São João daqui de Bezerros. E hoje temos  o famoso  “Forró na Roça”. Foi o primeiro realizado na Serra Negra, mesmo tendo  políticos contra a idéia.  E pelo que parece a iniciativa vingou de vez…Tivemos que trocar toda a fiação dos postes que eram absoletos. Contei com o grande trabalho e apoio  de Zé Galo e Bicinha.  Embora na época estivéssemos no apagão do ano, adotado pelo governo federal.   Por outro lado empreendemos um grande trabalho de concientização nas escolas públicas  para o plantio de árvores e chegamos  a plantar mais de 400 unidades. Lamentavelmente  hoje as vejo serem “Assassinadas pelo incautos, – e geralmente com o apoio e a inércia dos administradores  públicos “.
3º- BEZERROS HOJE – Uma cena marcou o início das eleições Municipais de 2004. O Sr. como cerimonialista das convenções do ex-prefeito Maru convidou à mesa o então radialista Givanaldo Vieira ( já falecido), que era militante  contrário àquele grupo político. Mesmo sendo altamente criticado, o Sr. achou o episódio muito natural. Por que?
EDGAR LINO – Na época da campanha de eleição de “MARU”, estando na presidência do partido majoritário, mostrei para a coletividade que o ato da escolha dos candidatos no período  da manhã, nas convenções  municipais era  ato é um fato jurídico, isto é um ato cívico  que deve ser mostrado ao público. Tendo como exemplo nos  jogos de futebol, volei, judô e outros esportes, os contendores se cumprimentam. É puro é Ato de civilidade.   E assim pensando convidei tudo mundo,  sem distinção de credo político. Tenho a certeza que fiz a coisa certa e foi correto. Guardo as fotos até hoje daquela famosa convenção ocorrida na quadra do RADAR,  onde foram  coligados diversos partidos e lançamos  64 candidatos vereador. Foi pena que a a maioria dos candidatos achavam que o candidato majoritário deveria bancar toda a campanha e ai o bicho pegou!!!! Muitos eram o mercenários, acostumados com esta prática nociva  que infelizmente impera até hoje. Vejam os escândalos que  estão em nossa  Mídia,  nestes últimos tempos.   É preciso acabar com este mal costume de nosso povo, porque quase sempre elegem os piores candidatos. Bastam ter apoio financeiro.
4º- BEZERROS HOJE – O Sr. tem acompanhado o processo político eleitoral de Bezerros há quase duas décadas, portanto, já deve ter observado as nuances da política local. A vitória de Marcone Borba sobre Maru em 2004 foi importante ou Sr. acredita que uma vitória do ex-prefeito Maru teria dado mais contribuição para o desenvolvimento de Bezerros?
EDGAR LINO – Aprendi na vida pública que nem sempre o adversário politico é o pior. Por diversas vezes pude notar que meus adversários me surpreenderam com grandes realizações. Na minha cidade o meu adversário de 1977, como vereador, foi eleito prefeito, na gestão seguinte. Não o apoiei. Porem ele realizou  muitas  e excelentes obras que até hoje estão brilhando no cenário da municipalidade. Passei a apoia-lo com toda a força que dispunha.  Hoje a maioria das obras de minha cidade foram realizadas por ele.  Aqui em Bezerros,  fui adversário de  Marconi. Porém ele  era uma necessidade popular, e contava com apoio de grande políticos na esfera estadual e federal e por esta razão realizou muitas obras de vulto e não perseguiu  ninguém.  Fomos adversários, respeitávamos um ao outro. Hoje somos políticos do mesmo lado.
5º- O que diferencia as práticas políticas da nossa região da realidade vivida na sua cidade natal?
EDGAR LINO – Em minha região e minha cidade existe a palavra lealdade. Recebi muito apoio de Maluf,  quando governador, para levar  benefícios  para meu povo. Sempre beneficiando a coletividade de minha cidade natal. Nunca dependi de politica para sobreviver. Em minha vida  em Piquete era comerciante bem sucedido no ramo de móveis e presentes.  Aliás naquela tempo vereador não percebia salário algum. Pagávamos para ser vereador e  trabalhar pelo povo. Foi pena que criaram, após 1 982, uma pequena verba de representação e dai para frente passamos ver o quadro que se apresenta. Tem vereador ganhando e nada fazendo  para sua cidade. E em todos  as cidades. E alguns  chegam ate´ a criar vínculos com o executivo, agregando familiares, amigos, cabos eleitorais em cargos comissionados. Agregam carros e onibus nas prefeituras. É uma autentica bandalheira.  É uma pena  que não existam, como antigamente,  na maioria políticos,  aqueles  que eram dedicados a causa social e amavam de corpo e alma sua cidade.   Raul Gil, quando candidato, com quem trabalhei, embora não tendo sido eleito, federal,  muito me ajudou  em realizar eventos  em prol da Creche Sorriso  e outras entidades sociais de filantropia na minha cidade natal.
6º- BEZERROS HOJE- O Sr. costuma observar a correção de postura em momentos solenes, observa detalhes que passam até despercebidos e costuma cobrar agilidade de terceiros nas tarefas que propõe realizar mesmo voluntariamente.  Fundou o Rotary de Bezerros e outras associações e procura defender ações em prol do bem coletivo, onde destacamos os apelos para a abertura de rua próximo ao Núcleo de Segurança e o funcionamento da farmácia 24h. Não daria para lutar pelas ações mais que justas sem provocar certos atritos?
EDGAR LINO- Tenho lutado para que determinadas obras sociais que venham a beneficiar a maioria da população. Porem  esta minha atitude voluntária causa mal estar em determinados políticos, Vejo, claramente  que uma grande parte desses cidadãos  e seus cabos eleitorais, torcem para não dar certo e ai fico triste e passo a cobrar destas pessoas mais ação.  Por exemplo: luta para que seja instalada a farmácia municipal  24 horas para beneficiar a grande parte da população de baixa  renda e que necessita de remédios populares. E não  encontro respostas efetiva no titular da área. Vem ocorrendo por várias vezes de a farmácia  municipal ficar fechada na sexta, por ser facultativo, no sábado que é  dia de folga dos funcionários. Não funciona no domingo, seguinte,   que é dia santo, e na segunda que cai em feriado. Portanto chega a ficar cinco dias fechada e dai me arreto a ponto de não dormir. Ai pergunto:  Como devo fazer com os titulares do poder?   Dar- lhes beijinhos e tapinhas nas costas? Não. Passo a cobrar na base do  cacete da forma que possuo. Critico e muito pelo meios de comunicação.  Doa em quem doer. Tenho um compromisso com os idosos  que em grande parte possui renda baixa e dependem e muito do remédio popular existente na farmácia municipal. Este compromisso a que refiro é porque sou presidente  do Conselho Municipal  dos Direitos do idosos. Estou lutando novamente para trazer o restaurante popular ” UM REAL” para beneficiar esta  camada  oprimida da população local. Estamos preparando os  papéis  para encaminha-los ao Ministério da Assistência Social em  Brasilia. Estou também lutando para que seja construida em nossa cidade uma grande casa  de acolhimento  de idosos abandonados  e que se encontram em estado de vulnerabilidade, isto é : ” PASSANDO FOME E MAL NUTRIDOS”.  BEZERROS É UMA CIDADE RICA. ESTE QUADRO NÃO PODER CONTINUAR DESTA FORMA. O POVO EM GERAL, DIZ A BOCA PEQUENA,  E A GENTE OUVE NO PÉ DO OUVIDO, “NÃO VOU  VOTAR EM MAIS NINGUÉM!   Dai então passo a dizer a estas pessoas: Escolha os melhores e novos que aparecem.  É preciso mudar. Tenham fé.  Não vote nos mesmo que  sempre lhe dá uns trocados na véspera  da eleição, fazendo  promessas  e depois os abandona. Somem da praça.
7º- BEZERROS HOJE -Como o Sr. analisa a conjuntura política para as eleições 2016. Quem deveria ser candidato a prefeito? Indicaria alguém?
EDGAR LINO – Desejo que apareçam candidatos que tenham autonomia pessoal e visão administrativas e que amem o povo de nossa terra. É preciso identifica-los. Eles existem e ainda não tiveram oportunidade. Não os indico porque pode configurar  campanha fora do prazo. Cometeria  infração eleitoral. Porém afirmo  Eles existem.   Está na hora de nossa cidade sair da mesmice e continuar com os mesmos defeitos, sob o comando dos mesmos inexperientes. Ai estão loteamentos mal projetados. Invasões  de áreas públicas – as calçadas. Lixos jogados nos rios.  Calçadas sem acessibilidade. Cabidões de empregos para pessoa que não entendem de administração pública. Árvores sendo assassinadas pela poda  irregular fora de época. Não plantam e cortam as existentes. O pior transito urbano da região, com obras aplicadas fora das normas do  Código de Trânsito Brasileiro.
8º- BEZERROS HOJE: Suas considerações finais… 
Tenho fé que ainda aparecerá um politico líder, com mente altamente administrativa e de mesma  forma, vários outros liderados  que irão lutar por uma  Bezerros mais próspera. Esta cidade merece  muito empenho de seus próprios filhos  É PRECISO AMAR E MUITO NOSSA QUERIDA CIDADE.
Share

NEGUINHO DE ISRAEL: Convido a oposição de Bezerros e a população para discussão do meu nome ou de qualquer outro da oposição que tenha proposta para a nossa cidade

neguinho
O empresário e ex-vereador Neguinho de Israel é o nosso sexto entrevistado da série

O empresário e ex-vereador de Bezerros, Givanildo Pedro Da Silva, o Neguinho de Israel, 51 anos, é o nosso sexto entrevistado da série que estamos levando ao ar todos os sábados. Você confere a série de entrevista com Nivaldo Santino, Josevânio Miranda, Marcone Borba, Mikhail Gorbachiov e Eugênio do PT no link AQUI

A entrevista deste sábado está indo ao ar mais tarde que o habitual. Informamos que enviamos só ontem a noite as perguntas ao ex-vereador, que estava chegando de viagem. As respostas, assim como aconteceu com os demais entrevistados, foram enviadas via rede social. A sua edição acabou tomando um pouco de tempo, o que justifica o atraso.

1ª- Bezerros Hoje: O Senhor já foi auxiliar do governo Lucas Cardoso, onde comenta ter contribuído com algumas ações para o município…

Neguinho de Israel – Quando Lucas foi prefeito de Bezerros ele me fez um desafio, fui convidado a ser chefe da limpeza pública, que na ocasião estava em greve e ninguém conseguiu solucionar, fui chefe dos pedreiros, jardineiros e toda infraestrutura com mais de 150 funcionários. Organizei a coleta de lixo e dei garantias como hora extra, fardamento, cesta básica, insalubridade e todo mês fazia reunião para ajudar a marcar consultas médicas e remédios, e como reconhecimento uma feijoada com toda equipe há 26 anos atrás. Como estão essas pessoas hoje? Em 1990 fiz o 1º carnaval com banho em nossa cidade apoiado pelo prefeito Lucas, um carnaval feito para todo povo da cidade.

2ª- Bezerros Hoje: Sua história empresarial no ramo da indústria de borracha lhe projetou também para a política. É nesse campo que o Senhor também pauta o seu discurso na empregabilidade. As pequenas fábricas garantem realmente mais emprego que uma indústria do porte da Herval?

Neguinho de Israel –Quando comecei no ramo da borracha estive em Franca-SP com meu amigo Eudes, entrei em uma rua e sai em outra e disse ” vou trabalhar aqui e fazer um polo de calçados em minha cidade.” Por que um polo? Porque as pequenas e médias empresas tem uma capacidade de gerar mais empregos diretos e indiretos com menos investimentos girando mais rápido o dinheiro em salão de beleza, bar, hotel, lanchonete, barracas de cachorro quente e pipoca e etc.

3ª- Bezerros Hoje: O senhor articulou a vinda de empresários numa reunião que aconteceu no governo do ex-prefeito Marcone em um hotel da cidade. A ideia seria criar um aglomerado de pequenas empresas que gerariam centenas de empregos. Costuma dizer que não teve o apoio político necessário. Mas não faltou também certa ousadia para mostrar a viabilidade do projeto?

Neguinho de Israel -Quando se fala de apoio político quero citar o nome do político, foi o ex prefeito Marcone Borba, que estávamos em reunião com presidente do CDL, gerente de bancos, secretários, padres e outro mais. E comigo, éramos 23 empresários, da Paraíba, Minas, São Paulo e Ceará, e o ex prefeito saiu da reunião dizendo ” Não preciso da sua empresa e nem das deles para Bezerros.” E se faltou ousadia, nada se faz na cidade sem o apoio do prefeito, agora quando eu for prefeito eu mostro como se faz, veja como começou Caruaru, Santa Cruz e Toritama.

4ª-Bezerros Hoje: Você vem almejando uma candidatura majoritária desde 2008. Naquele ano, por exemplo, retirou o seu nome em favor de uma discussão para uma terceira via juntamente com o Dr. Carlinhos, que acabou sendo eleito vice-prefeito na chapa Bete de Dael. Por que não deu certa aquela terceira via?

Neguinho de Israel – Naquela ocasião sentamos eu e Dr. Carlinhos para discutir quem seria candidato a prefeito, eu ou ele, ele com mais experiência em política e eu com mais experiência empresarial, ele articulou com o deputado Inocêncio e Bete e foi escolhido o vice da chapa.

5ª-Bezerros Hoje : Ainda em 2008, o Senhor preferiu apoiar à candidatura a reeleição do prefeito Marcone Borba, ano em que também se elegeu vereador. Sua atitude política foi acertada ou você poderia ter sido candidato a prefeito naquele mesmo ano se projetando para as eleições de 2012?

Neguinho de Israel – Eu poderia ser candidato, porém mais uma vez fui enganado, fui chamado por Nivaldo para uma reunião com Marcone, na qual ele me garantiu total apoio para o projeto do polo de calçado.

6ª-Bezerros Hoje :Uma vez eleito vereador, você acampou juntamente com outros pares da oposição a formação de uma CPI para investigar o governo da ex-prefeita Bete. Contudo, foi ser candidato justamente a vice na chapa dela. Não houve certa contradição nessa história?

Neguinho de Israel – Eu como vereador fui eleito para fiscalizar e legislar independente de quem fosse o prefeito, e fiz meu papel, prova disso é que fui eleito três vezes seguidas o melhor vereador do município. E fui candidato ao lado de Bete porque nada foi comprovado contra ela naquela CPI, outro motivo fundamental foi não concordar com a política de coronel feita pelo candidato Severino Otávio, que foi procurar o deputado Cadoca, presidente do PSC na época, para me obrigar a votar nele, o voto é livre e o povo vota em quem quer e em quem acha melhor.

7ª Bezerros Hoje: O seu nome é colocado mais uma vez para ser candidato a prefeito de Bezerros? É possível agregar setores da oposição em torno do seu nome?

Neguinho de Israel – Sim, e tem vários, não falo agora, é melhor esperar o momento certo para evitar ameaças dos coronéis de Bezerros.

7ª-Bezerros Hoje: Como o senhor observa a movimentação política governista para as eleições de 2016. O prefeito Branquinho apoiará um  sucessor ou irá mesmo à reeleição?

Neguinho de Israel – Que venha ele ou qualquer outro, só quero que o povo de Bezerros lembre do que ele disse na campanha de 2012, que iria trazer uma mini suape, cadê? Estão esperando o rio encher?

8ª-Bezerros Hoje – Há acertos e erros no governo Branquinho. Pode fazer uma análise crítica?

Neguinho de Israel – Posso, onde está a segurança com esses assaltos todo dia? E com os professores, está tudo certo? E a saúde, está boa? No momento certo direi mais, inclusive a denúncia do ex vereador Guinho sobre o sumiço de gasolina, baterias e demais coisas.

9ª- Bezerros Hoje –  O seu filho Wesley mostra-se bastante articulado quando o assunto é política local. Você não tem pretensão em lança-lo no processo, tal qual fez o ex-prefeito Marcone ao lançar o filho Breno?

Neguinho de Israel –A política é coisa de responsabilidade, devemos fazer com muita seriedade, sempre incentivei ele a estudar, levava ele a todas as reuniões políticas que ia, e o apoiei a cursar as duas faculdades que são voltadas para administração pública, ele é estudante de direito e de administração. Em Bezerros poucos se dedicam a política como ele, é um jovem sério e só depende da escolha dele, sei o filho que tenho e é de pessoas como ele que Bezerros precisa.

10- Bezerros Hoje – Qual mensagem você deixaria para a população de Bezerros?

Neguinho de Israel –Convido a oposição de Bezerros e a população para discussão do meu nome ou de qualquer outro da oposição que tenha proposta para nossa cidade. Prestem muito bem atenção nos políticos que passam por aqui, estava em Sapucarana na troca de padres e o Bispo falou ” Cuidado com os políticos mentirosos que prometem e não cumprem, e só com o povo durante a política.” Mais uma coisa, gostaria de realizar um sonho para Bezerros, o seu desenvolvimento. Gostaria de agradecer ao Bezerros Hoje pelo espaço.

Share

Presidente do TRE-PE participa de audiência pública para intensificar Biometria em Bezerros

Presidente do TRE-PE participa de audiência pública para intensificar Biometria em Bezerros Bezerros é um município do agreste pernambucano que tem 45.799 eleitores. Mas, até julho deste ano, apenas 10.900 eleitores, ou seja, 27,29% deles, compareceram para fazer o Recadastramento Biométrico. Para promover um diálogo com a população e entender as dificuldades do processo, o presidente do Tribunal Regional de Pernambuco (TRE-PE), desembargador Antônio Carlos Alves da Silva, participa de audiência pública, na Câmara de Vereadores de Bezerros, às 10h, dessa quinta-feira (30/07). Nesse processo de revisão, todos os votantes em situação regular precisam comparecer – inclusive os maiores de 70 anos, menores de 16 anos e os analfabetos, que desejem continuar votando. Na cidade a capacidade de atendimento instalada é de, pelo menos, 200 eleitores/dia. Número suficiente para atender todo o eleitorado previsto. Vale lembrar que a biometria não tem custo nenhum ao eleitor, mas quem não fizer perde alguns benefícios como acesso ao Bolsa Família, matrícula de instituições de ensino, emissão de passaporte, dentre outros.

Share

“Não fiz capital nem vou fazer, virei vereador mas não corrupto”, diz presidente do PT

20150725072236
A assessoria do vereador Eugênio enviou material através de email

Chegamos a quinta entrevista da série que evidencia figuras da política de Bezerros, objetivando jogar holofotes sobre possíveis cenários para 2016. O entrevistado deste sábado é o presidente do PT de Bezerros, o vereador EUGÊNIO SEVERINO BARBOSA, o popular Eugênio do PT. Na pauta, perguntas sobre a crise  política que o PT enfrenta no país, além do cenário político local. Eugênio marca posições com certa discrição, demonstrando não seguir o palanque governista no próximo ano. Tudo isso você acompanha neste sábado (25). Clique nos links a seguir para acompanhar a série de entrevistas com, Mikhail Gorbachiov (presidente do PCdoB),  Marcone Borba (Ex-prefeito)Josevânio Miranda (Ex-secretário de Infraestrutura e Nivaldo Santino (presidente do PSB e presidente da Câmara . Leia e tenha a sua própria visão do quadro que se desenha para 2016. Seja você mesmo um formador de opinião.

1-BEZERROSHOJE – Certa vez, numa conversa informal, você nos contou a sua história de como veio a Bezerros. Teria chegado ao município graças aos movimentos sociais que teria participado. Confere?

Sou natural de Passira  e desde cedo ingressei nos movimentos sociais de base, naquela época participei da (PJMP) pastoral da juventude do meio popular e também dos movimentos sindicais dentre eles o (CENTRUR) Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural. Eu vim a Sapucarana através do Centro Nordestino de Medicina Popular dirigido pelo Dr. Selerino Carriconde no ano de 1989. Desde então me estabeleci em Sapucarana onde conheci minha esposa com quem tive três filhas.

2-BEZERROSHOJE – O que levou a comunidade de Sapucarana elegê-lo como o mais votado nas eleições de 2012? Seu mandato tem correspondido as expectativas?

A nossa trajetória de luta vem desde a primeira eleição no ano de 1988 ainda na cidade de Passira, onde obtive 20 votos. Mesmo com esse resultado continuei na militância. No ano de 2004 ajudei a refundar o PT em Bezerros e fui novamente candidato a vereador, quando obtive cerca de 220 votos. Continuei na luta e em 2008 disputei novamente e tive 312 votos. A nossa luta só logrou êxito eleitoral no ano de 2012 quando obtivemos 893 votos. Acho que minha militância histórica em defesa do agricultor do distrito de Sapucarana explica a nossa vitória. Já em relação ao meu mandato, tenho defendido os interesses do povo e lutei e luto para cumprir todos os meus compromissos de campanha.

3- BEZERROSHOJE – Junto às lideranças estaduais você tem defendido projetos importantes para Sapucarana. Vez por outras se noticia verbas para a pavimentação da estrada, mas nada disso se concretizou. Qual é a verdade e a realidade dessas intenções?

Por duas vezes o ex deputado federal Pedro Eugênio (falecido) colocou para o distrito de Sapucarana emendas parlamentares que seriam destinadas para pavimentação da estrada vicinal que corta o distrito, um antigo sonho da comunidade.  A primeira vez ainda no final do governo Marcone. A verba se estendeu até o governo da ex prefeita que não teve interesse, daí  voltou. A segunda, eu já eleito, foi quando Pedro Eugênio colocou uma nova emenda desta vez no valor de cerca de um milhão e meio de reais. Acontece que houve questões técnicas, pois o Ministério das Cidades, onde o dinheiro estava locado, não trabalha com estradas vicinais. Os recursos estavam à disposição da prefeitura para ela utilizar na comunidade de Sapucarana com calçamento e saneamento que é o maior problema da comunidade. Infelizmente não tenho notícias boas em relação aos prazos que o município deveria cumprir.

4- BEZERROHOJE – Como está o seu relacionamento político com o governo Branquinho (PSB). Nota-se certo distanciamento político. Comente:

É notório que nossas posições políticas são bem diferentes, enquanto continuei apoiando meu projeto político e votei em Dilma o prefeito Branquinho votou em Marina e depois em Aécio e é claro que o prefeito também abraçou um projeto diferente que combatemos na campanha passada na comunidade de Sapucarana.

5- BEZERROHOJE –  Você tem levantado à defesa do governo federal, o governo do PT, nessa enxurrada de denúncias que levaram a presidente ao nível mais baixo de aprovação, superando inclusive o ex-presidente FHC. O governo do PT não errou em alguma coisa? É possível uma análise crítica?

Eu acho que fazemos um governo de inclusão. Acho também que faltou uma melhor divulgação dessas conquistas.  E daí elevar o nível de conscientização e politização da comunidade, que eram bandeiras históricas do partido. Quanto as denúncias, há duas formas de vê-las: Eu não posso concordar que todas são verdades, mas não posso negar que não houve ingerências. Mas há também um interesse de setores da grande mídia de distorcer os fatos.

6- BEZERROSHOJE – O ex-prefeito Marcone é filiado ao PT, mas pediu licenciamento do partido por seguir o ex-governador Paulo Câmara (PSB). Hoje, o ex-prefeito está em campanha para prevalecer o nome do filho, o vice-prefeito Breno (PSB), como candidato em 2016. Em entrevista, Marcone revela que não descarta totalmente uma possibilidade de ele vir a ser candidato a prefeito. Há disponibilidade do partido no município para avalizar uma possível candidatura dele?

Acho que não. Pois o partido dos Trabalhadores precisa voltar as suas origens e defender os companheiros que defenderam as bandeiras do partido de forma coerente. É notório que o ex prefeito é uma grande liderança, mais que não representa nosso projeto.

7- BEZERROS HOJE – O partido tem projeto para 2016 em Bezerros? Pode adiantar algo de concreto.

Á uma discussão real no partido para a construção de uma candidatura própria em 2016. Mais estamos dispostos a ouvir os demais projetos existentes na cidade.

8-BEZERROSHOJE – Não são raras as citações de populares da comunidade de Sapucarana exaltando a emancipação do distrito. Qual sua visão sobre isso?

Do ponto de vista de atendimento as necessidades da população não tenho dúvidas de que seria melhor. Logo sou favorável, mas sabemos que não nos enquadramos ainda nos requisitos básicos que existe para que se torne cidade.

9-BEZERROSHOJE- Suas considerações finais…

Quero dizer a sociedade que sempre desejei esse momento para discutir a política de fato. Sempre fiz política, mas hoje ( como estou de fato nela) me sinto à vontade de expor ainda mais minhas idéias sem medo de contrariar quem quer que seja. Sempre digo na Câmara que não estou lá para me perpetuar. Não fiz capital nem vou fazer, virei vereador mas não corrupto.

Share

PRESIDENTE DO PT DE BEZERROS É O NOSSO ENTREVISTADO NESTE SÁBADO

eugenioDando sequência a série de entrevistas, o bezerroshoje.com conversa neste sábado com o presidente do PT de Bezerros, o vereador EUGÊNIO SEVERINO BARBOSA, o popular Eugênio do PT. Na pauta, perguntas sobre a crise  política que o PT enfrenta no país e os seus reflexos também no município. O vereador, assim como aconteceu com os demais entrevistados, é instigado a analisar o cenário político local. A reportagem ainda entra no mérito político eleitoral da comunidade de Sapucarana, onde o parlamentar tem forte atuação. Estaria ele de acordo com o desmembramento do distrito, como algumas vozes ecoam nas redes sociais da comunidade? Tudo isso você acompanha neste sábado (25).

Share

SÉRIE DE ENTREVISTAS: “É meu dever representar àquilo em que acredito e levantar bandeiras que devam ser pautadas na sociedade contemporânea, independentemente se agrada ou desagrada à maioria”

11200778_1612949752286245_8355709243022203372_n
Assim como o Mikhail, os demais entrevistados da série enviaram suas respostas via rede social

O bezerroshoje.com dá sequência a série de entrevista com lideranças e personalidades  da política bezerrense e, neste sábado, entrevista o bezerrense Mikhail Gorbachiov, 27 anos, presidente do PCdoB. Ele é formado em Ciência Sociais pela UFPE e é funcionário público. Foi candidato a vereador nas últimas eleições municipais numa chapa de partidos que apoiaram a candidatura a prefeito de Carlos Francisco (Dr. Carlinhos) e que elegeu um representante para o legislativo municipal. Mikhail faz oposição clara a gestão do prefeito Branquinho, com duras críticas na rede social. O bezerroshoje.com aborda temas da política local, possíveis contradições e faz projeções futuras do partido no município. Você pode conferir as últimas entrevistas e ter sua própria visão do quadro que se desenha para 2016. Leia e seja você mesmo um formador de opiniões. Clique nos links Marcone Borba, Josevânio Miranda e Nivaldo Santino.

BEZERROSHOJE – Você vem de uma família tradicional em Bezerros, é parente de uma das lideranças mais lembradas no município, que é o ex-vereador Marco Pontes, e tem uma militância política em defesa das causas minoritárias, com posições claras e até polêmicas. Esse perfil dificulta sua atuação política no município, que tem uma característica mais tradicionalista?

Mikhail Gorbachiov,-  Há quem diga que sim. Mas eu discordo. Acredito que a política se faz com posicionamentos e coerência. E O traço tradicionalista na política bezerrense está impregnado em seu DNA. As pessoas criticam a forma de se fazer política; a compra de votos (descarada); a corrupção; os vereadores e, até chegam a dizer que não irão mais votar em ninguém. Mas quando chegam às eleições municipais, todo o discurso cai por terra e lá estão votando nos mesmos vereadores; naqueles que compram voto; apertando a mão daquele que tacham de corrupto ou trocando seu voto em uma esperança de um contrato na prefeitura. Óbvio que existe público e público. Para uns que entram para o campo político mais valem a forma de clientelismo (onde o eleitor é objeto de compra), estes “políticos” não têm visão do que se pode fazer com um instrumento de suma importância como a política. Entram pensando em obter vantagens, status e fazer da vida pública uma profissão. E em Bezerros tem muitos assim. Estes irão atrás do público que aceita a política de clientela. No meu caso, meu posicionamento visa atingir a outro tipo de público, mas também dialogar com o público-alvo do clientelismo e mostrar que a forma com que se trata o direito do cidadão escolher seu representante na base da compra está equivocado. Conheci à política na Universidade, quando fui militante do movimento estudantil. De lá pra cá, ingressei no PC do B (2008) e tenho contribuído para a caminhada da legenda, seus equívocos e seus acertos. A política pra mim é um instrumento de transformação e mudança social, e não um meio para se ganhar dinheiro. Durante 5 anos trabalhamos voluntariamente ministrando aulas no cursinho FREEVEST, infelizmente no período em que tive de ir estudar em Recife, não foi mais possível. Mas sonho em poder contribuir novamente para a conquista dos sonhos de muitos bezerrenses. E isso independentemente de política. Graças aos esforços de meu pai e de minha mãe, e posteriormente o meu, conquistei uma vaga no funcionalismo público. Estudo pra mim é uma forma de conquistar meus sonhos. Política é uma forma de se trabalhar pelo coletivo. Muitos discordam piamente, mas carrego comigo uma certeza: política é algo sério demais para ser tratado como piada.

2- BEZERROSHOJE – O PCdoB sempre teve uma marca nas campanhas do ex-prefeito Marcone, que liderava a oposição no município. Em 2008, deu uma guinada ‘à direta’, compondo a vice com a ex-prefeita Bete, que tinha o apoio declarado do grupo do ex-prefeito Amaro Rufino tão combatido nas eleições passadas. Foi um erro essa posição do partido?

Mikhail Gorbachiov – Não considero um erro. A conjuntura da época era clara: Marcone havia perdido a coerência entre seu discurso e sua prática. Chegou à prefeitura representando uma mudança que há muito se esperava. Mas ao chegar, não mostrou a que veio. Foi um governo segregacionista e permeado de equívocos (em sua maioria). Afastou a base aliada e centralizou o governo em torno dos interesses dos financiadores de campanha. Foi uma lástima para o que se esperava. Diante disso, a candidadura que se lança como oposição ao governo Marcone, nada mais é que uma aliança de partidos que comporam sua base quando ele foi eleito. Bete era sua vice, e Carlinhos era suplente de vereador. Ambos tiveram sua importância para a chegada de Marcone, e todos sabem que se Bete não tivesse sido sua vice, Maru e Pedro Jorge tinham chances claras de chegar. Então, a chapa Bete e Carlinhos representava uma oposição de centro-esquerda, e não de direita. Ambos partidos, PR e PC do B, estavam alinhados tanto na conjuntura nacional, quanto estadual. Porém, os grupos de direita decidiram apoiar a candidatura. Por exemplo, em 2012 tivemos estes mesmos grupos da direita apoiando a candidatura de Branquinho e Breno. Marcone, por sua vez, estava junto e com aqueles que ele e seu grupo sempre combateram. Também seria um erro? Acredito que existe uma diferença enorme em ser apoiado e apoiar.

3-BEZERROSHOJE – Uma vez na vice-prefeitura, o partido, mesmo que temporariamente, chegou ao maior posto da política local que é o governo municipal. Em 2012 apresentou candidatura para prefeito e, mesmo não logrando êxito, elegeu um representante para o legislativo. A maior liderança do partido, o Dr. Carlinhos, acabou deixando a legenda e o vereador Elissandro foi merecedor de críticas pela sua atuação no legislativo. Como explica isso?

Mikhail Gorbachiov – Chegamos a assumir a prefeitura por duas semanas, em 2012. Semanas que até hoje repercutem no meio social pela postura diferenciada e coerente com que tratamos a gestão pública. Foi uma experiência de muita satisfação para nós do PC do B, uma vez que imprimimos na prática aquilo que acreditamos. Dialogamos com os setores da sociedade e buscamos atender às demandas de maior urgência, dentro das possibilidades. Hoje, o maior capitalizador desse período, Carlinhos, não se encontra mais nas hostes do PC do B. Porém, o pleito de 2012 nos rendeu uma cadeira no legislativo, ocupada por Elissandro. Quando se trabalha a construção de uma candidatura majoritária, os partidos correm o risco de arregimentar em seus quadros, pessoas de identificação partidária e pessoas de não-identificação partidária, mas que representam setores da sociedade civil, para dar corpo às candidaturas proporcionais e eleger vereadores. É uma espécie de aposta. Nós corremos este risco e assumimos as posteriores consequências. Elissandro não correspondeu às expectativas de um mandato legislativo de nosso partido. Não fez oposição; abraçou a defesa da gestão municipal; fez discursos contrários à bandeiras que o partido defende e nas eleições de 2014, fez campanha para candidatos contrários ao nosso posicionamento: Marina, Aécio, Waldemar Borges, abraçando apenas a candidatura de Luciana Santos para Deputada Federal. Se o mandato já não correspondia, estes acontecimentos foram a gota d’agua. Mas quando erramos temos de assumir as consequências e tratar a questão. Diante disso, conversamos com o Vereador e deixamos claro que ele não comporá mais nossos quadros, que deve se desfiliar e tomar um rumo partidário diferente. Deixando bem claro que a questão não era de cunho pessoal, mas sim, político.

4- BEZERROSHOJE  – Comenta-se que a Deputada Federal Luciana Santos e a cúpula do PCdoB não deu o devido apoio que a chapa majoritária merecia em 2012. Pode comentar?

Mikhail Gorbachiov – Luciana sempre viu com bons olhos a nossa candidatura em 2012. Mas não foi fácil colocá-la nas ruas. Tivemos bombardeios de todos os lugares. Algumas figuras políticas temiam nossa candidatura porque ela representava uma ruptura com as formas arcaicas que sempre se fez política em Bezerros. Até chegarmos a ter Glaucia Oliveira como nossa vice, muitas investidas foram feitas para nos enfraquecer, e não vieram do PC do B, nem de Luciana. Marco Pontes estava sendo cotado para ser nosso vice, mas bastou isso ventilar nos bastidores, que trataram de correr atrás para que desse errado. Politicamente, o partido pecou pela morosidade no processo, e durante a campanha esperávamos mais do Partido, mas os recursos eram parcos.

5- BEZERROSHOJE – Na sua rede social, o seu posicionamento crítico em relação ao governo municipal é bastante contundente. Há erros e acertos, ou só erros?

Mikhail Gorbachiov – Acredito que apenas o governo Bete não tenha apresentado acertos. Mas o governo Branquinho tem acertos, mas erra muito. Talvez os erros sejam em detrimento dos compromissos e amarras políticas que tenha feito para chegar à prefeitura. Minhas críticas são abertas não apenas ao governo, mas também à Câmara Municipal. O governo é centralizador, autoritário, não democrático, elitista, classista, coronelista e uma série de adjetivos que não têm fim. E exemplos, temos muitos: o concurso público foi realizado, mas ao invés de chamar os aprovados, o governo prefere manter a máquina inchada com contratos; a guarda municipal e os agentes de trânsito necessitam de concurso público e nada se fez; as periferias da cidade sofrem com problemas básicos; a saúde é problemática; a cidade é mal iluminada; violenta; a geração de emprego e renda até agora não saiu dos discursos; Bezerros é a única cidade que não dispõe transporte para seus universitários se deslocarem até as faculdades; as estradas dos distritos são esquecidas; a Serra Negra cresce descontroladamente pondo em risco o meio ambiente; existe distinção no trato do público e dos comerciantes que frequenta a Serra Negra e o Centro da cidade, isto pode ser notado através do decreto 1.135 que trata distintamente quanto à proibição de equipamento sonoro na Rua da Matriz; etc. Falta diálogo com os setores, mas sobra fantasia e imaginação. O governo governa para o centro da cidade. Mas se você for às periferias você verá e escutará depoimentos que versam sobre a realidade. E se a realidade fosse essa que se pinta, a aprovação do governo não teria caído..

6- BEZERROSHOJE – Quais os planos do PCdoB para as eleições de 2016 no município?

Mikhail Gorbachiov – O PC do B intenta lançar candidaturas proporcionais para conquistar seu espaço na câmara municipal e de fato representar a cidade e os grupos menos favorecidos. Mas não descartamos a possibilidade de lançar uma candidatura majoritária.

7-BEZERROSHOJE – Como o partido analisa a atual legislatura?

 Mikhail Gorbachiov – Sempre aprendi que os poderes são independentes e harmônicos, mas em Bezerros isso não se percebe. A Câmara Municipal é totalmente subserviente ao Governo Municipal. Não existe nada que seja debatido, confrontado… Isso é um absurdo! Até parece que os vereadores devem algo ao prefeito porque o compadrio é muito grande. A exceção do vereador Eugênio, você não vê muita coisa não. É uma câmara corporativista. Dois exemplos que demonstram a fraqueza de nosso legislativo podem ser percebidos quando você observa a ausência de debate quanto à inclusão das temáticas: gênero e sexualidade no Plano Municipal de Educação (isso mostra à apatia com que as pautas importantes são tratadas). O outro exemplo é a possibilidade de ser contrária ao aumento de vagas no legislativo. Ao invés de ampliarem a democracia no espaço, eles a travam por motivações que vão de pessoais à ausência de conhecimento de leis. Se a população de fato tem aquilo que merece, eu sofro muito pelos bezerrenses.

8- BEZERROSHOJE – Na sua visão, como está a conjuntura política atual. A oposição sairá unida em Bezerros?

Mikhail Gorbachiov – A oposição tardou em se apresentar em Bezerros. E isso contribuiu muito para o governo municipal figurar como satisfatório. As redes sociais são ferramentas importantes, mas ir às ruas e sair da zona de conforto é mais importante ainda. Acredito numa possível composição entre as forças oposicionistas em torno de união. Mas ainda é muito cedo para dizer se isto se concretizará. As conversas iniciaram e até agora o discurso está oníssono. Mas acredito que teremos duas candidaturas, mas não mais que três.

9- BEZERROSHOJE – Suas considerações finais…

Mikhail Gorbachiov – Gostaria de agradecer pelo convite e parabenizar ao Bezerros Hoje pela iniciativa de trazer á tona as discussões sobre a política bezerrense e suas conjecturas. Espero ter contribuído e elucidado algumas questões. E, também ter despertado mais atenção dos munícipes para as questões de nossa querida cidade. Agradecido!

Share

DOS BASTIDORES DA POLÍTICA DE BEZERROS

RESUMO POLÍTICO DA SEMANA

HOLOFOTES

entrevistaAs entrevistas que o bezerroshoje.com tem levado ao ar servem para clarear as movimentações políticas. Os entrevistados passam a mensagem de forma ampla, porém, nas entrelinhas, acabam denunciando as estratégias de cada um. É sabido que o grupo político do governo é quem dará o norte ao processo visando as eleições municipais. Há três nomes em discussão nos bastidores: o do prefeito ( que nega a pretensão, mas se mantem nas apostas), do vice-prefeito Breno (candidato natural) e do advogado Paulo Alves, todos do PSB. Essa equação só fechará na base do desprendimento e de muita conversa. Não há garantias de que não haverá dissidência, o que viabilizaria uma segunda candidatura facilmente abraçada por setores da oposição.  E o que tem de gente esticando essa corda não está no gibi. A história, como bem frisou o ex-prefeito Marcone Borba, está cheia de exemplos nesse sentido. O certo é que se o atual grupo político chegar a um consenso dificilmente deixará de ter sucesso no pleito.

SUA OPINIÃO

O ex-prefeito Marcone sintetizou sua percepção dos governos nos últimos 15 anos. Foi além e ainda incluiu o governo do ex-prefeito Maru, que o considerou muito popular. “Lucas um prefeito futurista pensando no futuro, Samuel um cara legalista organizando o município, eu me vejo como tocador de obras, a prefeita (Bete), infelizmente, não tem uma marca ( é tanto que ela teve 17 mil votos e caiu para 7 mil ), mostra que a população frustrou e a de Branquinho que se destaca pela Empregabilidade”. O ex-prefeito nas considerações finais deixou claro que sua opinião na entrevista é pessoal e que aceita o contraditório com muita naturalidade.

NOVA DIRETORIA DO PSL

20150712140830

O Partido Social Liberal Nacional ganhou uma diretoria neste domingo em Bezerros. Foi eleito presidente Júnior Carvalho, que é o atual chefe dos transportes da Secretaria de Saúde de Bezerros. O partido trabalha para eleger novos vereadores. “A Presidente do PSL Betânia Araújo por razões de não ter tempo para dedicar-se ao partido, resolveu entregar a presidência aos amigos que se comprometeram a lutar e fortalecer a sigla PSL. 17”, diz a nota.
*Presidente: Júnior Carvalho
*Vice Presidente; José Carlos Pessoa ( Cacau Professor)
*Secretária: Betânia Araújo
*Tesoureira: Geneide
*Membros: Gg de Barbeirinho, Branco de Pessoa, Bala Laurentino

FEITO NUVEM

Mesmo referendando o nome do filho Breno para ser o indicado para candidato a prefeito, o ex-prefeito Marcone não descarta que também pode entrar no processo. Parafraseando uma frase de Magalhães Pinto, disse: “Política é feito uma nuvem, você olha está de uma maneira, com cinco minutos muda. Eu não sei o dia de amanhã”. A declaração sinaliza várias interpretações. Quem se habilita?

MOVIMENTANDO

20150712_124400Neste domingo o vereador Gabeira esteve prestigiando a Abertura do Campeonato Bezerrense de Bairros no Estádio Tenente Luiz Gonzaga. A competição é organizada pela Gerencia de Esportes da Secretaria de Educação  e os jogos serão realizados todos os domingos movimentando assim o esporte amador de nossa cidade. O vereador Gabeira se destaca diuturnamente apoiando ações e projetos no município e em todos os segmentos. O nome dele já entra nas especulações parlamentar que teria uma reeleição fácil.
ESTRATÉGIA?
Lideranças simpáticas a candidatura de Paulo Alves para prefeito espera que o mesmo saia da base do PSB para ser de fato candidato. No partido já há a postulação natural do vice-prefeito Breno, que dificilmente será preterido pelo PSB. O advogado se mantém discreto em relação a essa estratégia.

DE UM INTERNAUTA

Antes de mais nada gostaria de parabenizar pela boa matéria com o ex-prefeito Marcone, muito boa mesmo, especialmente na pergunta  sobre o que ele achava de sua derrota na reeleição. A resposta dele foi muito contundente. Ai eu pergunto: Será que não esta acontecendo o mesmo agora com a atual gestão ou com o atual grupo político?

CURTAS

>>>O André Damázio, da ADP Produções, fez aniversário neste sábado (11) e comemorou com amigos. O rapaz é talentoso nos trabalhos de vídeo que vem fazendo em Bezerros, principalmente com seu famoso drone.

>>>O vereador Eugênio se distancia cada vez mais do governo Branquinho. Na última semana, sua assessoria divulgou uma imagem onde um trator de uma associação ligada ao parlamentar fazia a recuperação da estrada vicinal. “Por conta própria”, era o foco da notícia.

>>>As perguntas que o bezerroshoje. com tem elaborado para os entrevistados tem chamado a atenção. ‘A dureza’ se faz necessária porque tentamos representar aquilo que o internauta desejaria perguntar. São fatos conhecidos, mas nunca comentados oficialmente. Até agora os entrevistados estão tirando de letra.

>>>Ou está faltando mídia ou as obras do FEM II estão um pouco devagar no município. A preocupação é que para garantir o FEM III  é preciso prestar contas do FEM II.

>>> A Câmara preferiu suprimir do Plano da Educação Municipal o texto sobre ideologia de gênero. A polêmica foi evitada, mas merecia pelo menos um debate, mesmo que fosse posteriormente reprovada.

>>> Não deixou nada marcado, foi a opinião do prefeito Marcone em relação ao governo Bete. Internautas demonstraram interesse em saber a opinião da ex-prefeita. O espaço, claro, está garantido.

>>> E a imprensa local suprimiu referências a um artesão na Feneart que esqueceu de exaltar em um programa nacional a cidade onde descobriu sua arte.

>>> O ex-prefeito Marcone sintetizou muito bem os altos e baixos das campanhas eleitorais. Nunca sua votação decresceu. Fato.

Share

EX-PREFEITO MARCONE É O NOSSO ENTREVISTADO DESTE SÁBADO

Marcone Borba
Imagem:Internet

O  ex-prefeito de Bezerros, o renomado médico Marcone de Lima Borba, 56 anos, é o nosso entrevistado deste sábado (10) na série de entrevistas com figuras da política local. Dr. Marcone, como é popularmente chamado, responde questões referentes a política no município, suas histórias de campanhas  e os altos e baixos do processo eleitoral. Sobre as eleições do ano que vem, indagamos do ex-prefeito sobre as suas pretensões políticas e uma avaliação da atual conjuntura. Ele é instigado a avaliar os governos municipais dos últimos 15 anos. Marcone é o terceiro entrevistado da série que já entrevistou o presidente do PSB de Bezerros, o vereador Nivaldo Santino (ver entrevista aqui), e o ex-secretário de Infraestrutura, Josevânio Miranda (ver entrevista aqui), militante do PSDB de Bezerros.

Assim como as entrevistas anteriores, a conversa com o ex-prefeito também foi solicitada via rede social. Marcone, no entanto, preferiu nos responder enviando as respostas através de áudio, o que, obviamente, prolonga a matéria que precisou ser degravada. A redação informa que disponibilizará em breve o áudio enviado pelo ex-prefeito.

BEZERROSHOJE: O Senhor foi candidato a vice-prefeito em 92, candidato a deputado estadual nos anos de 94, 98, e 2002 e candidato a prefeito em 96, 2000, 2004 e 2008. De todas as disputas, embora sempre com uma votação expressiva, logrou êxito apenas em 2004 para prefeito. Hoje o seu nome figura nos bastidores como a maior liderança eleitoral. No balanço geral, faltou melhores estratégias nas disputas ou a disputa política eleitoral é de certa forma desgastante e frustrante?

MARCONE BORBA- Toda eleição tem sua história, né… em 92 quando nós fomos candidatos a vice era para compor com Dr. Rinaldo para fazer frente. Nós sabíamos que o candidato Amaro Rufino era um candidato fortíssimo. Nós começamos ali a fazer uma oposição firme. Em 94, foi a pedido de Dr. Arraes para sair a deputado para a gente contribuir com a eleição dos nossos deputados e quase ganhamos as eleições. Já ali começamos a ter oito mil votos só em Bezerros. Em 96, o que aconteceu, o candidato Lucas com o apoio de Amaro Rufino era fortíssimo tinha onze vereadores na sua base, inclusive o vereador Jó Alves (que era da oposição) foi ser o vice de Lucas e nós saímos com menos vereadores que  as vagas necessárias na chapa. Mesmo assim disputamos as eleições e perdemos com trezentos e poucos votos, muitas pessoas não acreditavam. Em 98 achava-se que a gente poderia ser eleito deputado. Aí o grupo se reuniu e fizemos uma composição com Djalma Paes. Estimava-se que se faria 18 a 19 deputados pelo PSB, com a derrota de Dr. Arraes por mais de um milhão de votos para Jarbas, ficamos em 16º e o partido fez 13 deputados, é bom salientar que dos 13 que foram eleitos, na época, 10 correram para o lado de Jarbas e nós éramos o 3ª suplente, se nós tivéssemos a votação que Dr. Arraes esperava a gente poderia ter sido deputado. Em 2000, aí há uma discussão dentro do grupo, onde apareceu candidatos que queriam ser candidatos contra o candidato Lucas Cardoso a sua reeleição e houve um desgaste muito grande dentro do grupo. Fomos para as ruas todo mundo achando que ganharíamos as eleições e quando se abriu as urnas ao invés de ganharmos, já tínhamos perdido por 300 votos, perdemos por  mais de mil votos. Ai é quando vem às eleições de 2002, Samuel já é o prefeito e eu não seria candidato. De última hora Dr. Arraes mais uma vez me convoca e nós tivemos uma votação expressiva em Bezerros, quase 12 mil votos de deputado. 2004 foi a grande vitória nossa (para prefeito), uma eleição bem feita, bem trabalhada com apoio de algumas lideranças e ganhamos a eleições de Amaro Rufino que era uma grande liderança na época, que iniciou as eleições com 61% de intenções e ganhamos as eleições. Em 2008, o que acontece, outra eleição difícil porque os nossos adversários foram buscar a vice do meu lado, que teve um papel importante na eleição nossa, e também levou o candidato a vice do nosso lado, que era o candidato a vereador Carlinhos, que teve mais de 500 votos. Então, foram duas pessoas do nosso lado. O que chama a atenção também é que, naquela época, o que aconteceu na eleição: deixou de ser candidato do nosso lado sete mil votos de vereadores. Dr Rinaldo, Geraldo do ônibus, Dr. Sandro, Marco Pontes, Zé Amaro…Em fim, eram sete mil pessoas de votos de vereadores que deixaram de ser candidatos. Agora o que é  importante é que sempre tivemos votação crescente nunca uma votação decrescente… O que temos em Bezerros hoje é a conscientização da população e nós temos esse apoio que a população reconhece o nosso trabalho para a cidade, sempre pautando em defender o que é melhor para Bezerros.

2-BEZERROS HOJE: Sua vitória em 2004 foi construída diante de um cenário favorável para a oposição, que cantava vitória um ano antes? Pode resumir o que aconteceu?

MARCONE BORBA- …É o que aconteceu, como expliquei na pergunta anterior. Na campanha de 2004 houve todo o engajamento na campanha. Em 2004  ganhamos de Amaro Rufino que partiu na frente, tinha mais de 60% e nós 21% e revertemos. A população entendeu que o município queria uma mudança e fizemos um governo de ações que a população esperava a mais de vinte anos. Tivemos a PE que liga Bezerros a Cumaru, foi a questão do saneamento, de água, o canal do salgado, asfaltando a cidade, muito investimento na área social, fizemos muito na saúde… mesmo assim a população não entendia, mas reformamos a Unidade Mista, criamos a Farmácia Popular, o Centro de Especialidade Odontológica, Laboratório do Município, saímos de nove PSF’s para quinze PSF’s; Na educação ganhamos vários prêmios… foi extraordinário o trabalho que nós fizemos, mas quando chegou a eleição o que discutiu a população não foi o discurso administrativo…

2- BEZERROS HOJE – Você perdeu a reeleição com uma administração avaliada positivamente. Dizem que o fator politico foi preponderante. Havia forte rejeição a uma parte de sua equipe e a oposição fez de sua vice sua adversaria. O que realmente, na sua visão, o levou a perder aquele pleito?

MARCONE BORBA- A minha análise da eleição de 2008 é que muitas pessoas do meu grupo achavam que já tinha a eleição na mão, porque administrativamente a gente estava bem, tinha o apoio de mais de 70% da população  com a administração. Houve, na minha visão, alguma acomodação de alguns secretários que também não correspondiam com a população. Para você ter ideia, dois dos oitos secretários mal  falavam comigo após deixar a prefeitura… eram verdadeiros oportunistas de momento, mas  nós não percebemos isso, antes das eleições é difícil. Então tem vários fatores, eu só acho que o maior fator sou eu mesmo, porque fui eu que escolhi a equipe no momento. Os nossos adversários foram muito inteligentes, eles foram para luta, pra a guerra, o candidato deles era o candidato do meu lado, como expliquei anteriormente, que era a minha vice-prefeita, que já tinha um nome na cidade muito forte, durante a campanha nossa fez o nome dela politicamente, levou um vice também do nosso lado e teve os vereadores que deixaram de ser candidatos do nosso lado, como disse a você sobre os mais de sete mil votos de candidatos que não foram mais… Dr. Rinaldo, Marco Pontes, Dr. Sandro, Geraldo do Ônibus, Zé Amaro, em fim, acho que isso foi um dos fatores. E a eleição foi uma coisa partidária e não administrativa, como ganhamos a eleição com dois mil votos os nossos adversários conseguiram reverter isso e ganharam com mil e poucos votos em 2008.

3- BEZERROS HOJE-Uma vez prefeita, sua ex-aliada acionou o jurídico do governo para acioná-lo judicialmente por várias ações. Também houve várias notícias de processos junto à União. Você tem acompanhado esses processos. Qual sua posição sobre tudo isso?

MARCONE BORBA- A ex-prefeita ao invés de se preocupar com a administração dela e dá continuidade as coisas boas que nós tínhamos e deixamos um bom volume de recursos para continuar os asfaltos, canal do Salgado, a ponte, saneamento e tudo, ela preferiu me acionar juridicamente dos quais eu venho ganhando todas… Há poucos dias saiu uma decisão de uma ação que ela teve que pagar as custas advocatícias…tem outra que ela fez e que ganhamos também…e as ações de administrativas estamos respondendo tranquilamente, mostrando que isso é normal. Agora eu fui o prefeito mais investigado em todos os tempos em Bezerros porque todo o dia tinha denúncia… ter de responder que secretário meu seria dono da Queiroz Galvão, dono da Ancar e era todo o dia… um terror. Eram ações para não começar canal do Salgado, para não começar asfalto… Em fim, ao invés de se preocuparem em administrar o município e deixar a justiça buscar as coisas, não. Eles provocavam, mas tudo bem faz parte do jogo e nós estamos respondendo, como estamos todas as ações que possam vim do TCE ou do TCU.

4- BEZERROS HOJE – Em 2012, você fez do seu filho vice-prefeito numa eleição onde o candidato Branquinho uniu diferentes correntes políticas, inclusive forças que nunca militaram com você. Hoje, você é o maior incentivador para que Breno seja o candidato. A conjuntura política atual permitirá a união de todos novamente em torno desse projeto?

MARCONE BORBA- Eu, claro, sou o maior incentivador de Breno, que é o vice, para ser candidato, mas nós vamos ter muitas conversas. Diante mão eu achava que Branquinho deveria manter sua candidatura, mas ele com razões pessoais, até eu tento entender que ele já deu a contribuição dele, que não é fácil ser prefeito de uma cidade feito Bezerros, ele acha e eu concordo que ele deu a contribuição. Se ele quisesse continuar à frente do governo não teria problema. Então Breno vem sendo preparado e é o atual vice. Eu acredito que as lideranças ficarão todas juntas para ter um candidato. Agora tem um porém: o candidato tem que sair da aliança do governador Paulo Câmara, que está dando continuidade ao governo Eduardo Campos  do qual nós apoiamos e Breno é do PSB. Acho que o candidato tem que sair do PSB, o prefeito já conversou com o governador, já conversou com os deputados e nós já estamos conversando com as nossas lideranças também, não é impor ninguém, ninguém vai querer impor, agora está sendo discutido o nome. Espero e acho que as maiores lideranças do município vão ficar. Hoje você ver ( claro que em todas as eleições não são as mesmas pessoas) na base do governo e estão conosco tem vereadores que não foram do nosso lado e estão aliados a nós, tem vereadores que podem não ficar e isso é normal, mas eu acho que as lideranças partidárias que se uniram ( que as nossas divergências políticas foram resolvidas), hoje há uma convivência muito boa entre as lideranças dos grupos e, claro, que isso não deixa de ter conversa. Política é conversa, política é entendimento não é imposição, ninguém está em ditadura para dizer “o candidato é fulano”, então nós vamos discutir os nomes e Breno tem essa vantagem, e se o prefeito achar que ele dever ser candidato, eu também acho que Breno tem condições… O governador agora mesmo no São João já perguntou a Breno se ele estava disposto  ir, se estava se prepar… claro que.., mas nós vamos ir  junto as lideranças discutir isso, claro, que não é nada imposto é discutir…é natural também que tenha outras candidaturas até para se discutir isso…

5- BEZERROS HOJE – O prefeito Branquinho tem dito desde sempre que Breno é o candidato natural à sucessão dele e que não disputa a reeleição, mas a afirmativa não é suficiente para por fim a especulação sobre a possibilidade de ele vir a ser candidato. Qual o seu ponto de vista sobre isso?

MARCONE BORBA- Meu caro amigo, em política é discussão é entendimento entre as diferenças. É natural que no momento em que o prefeito diga que é candidato, tem pessoas, claro, que gostariam que o prefeito continuasse porque são muito mais ligadas ao prefeito, como tem pessoas que querem outras candidaturas, é natural. Isso em eleição eu vejo como natural o surgimento de nomes, isso não que dizer que fulano surge hoje para ser candidato no grupo e amanhã tem que ser contra. De jeito nenhum. O nosso campo é o mesmo, claro, nós sabemos quem são do nosso campo. Quem sair do campo vai ser adversário do nosso campo. Então a discussão tem que ser no grupo e deve ser discutido, analisado. É salutar aparecer que outros nomes que venham a surgir, até do próprio prefeito,  não há problema nenhum, registro com muita naturalidade, só que o prefeito vem reiteradamente dizendo que não é candidato e é natural que surjam essas conversas e isso não vai acabar nunca, sempre vai existir o debate, porque a política é feito do debate, das discussões das diferenças…

6- BEZERROS HOJE- Você descartaria a possibilidade de vir a ser candidato ou, dependendo o cenário, toparia ir novamente à disputa?

MARCONE BORBA- Venho reiteradamente dizendo que o meu candidato dentro do PSB seria Breno, isso não quer dizer que nunca deixo de ser candidato. No momento, a visão nossa é que o melhor candidato que vejo é Breno, mas eu não tenho o interesse de dizer que sou candidato. Política, como dizia Magalhães Pinto, é feito uma nuvem, você olha está de uma maneira com cinco minutos muda. Eu não sei o dia de amanhã, de repente possa acontecer algum fato, alguma coisa e ai vai dizer “Marcone dizia que não seria candidato e de repente é candidato…não! No momento, o trabalho está sendo feito dentro do grupo, é a discussão de alguns nomes e estamos discutido justamente qual a melhor opção para ir representar o nosso grupo.

7- BEZERROSHOJE -Você acredita que o pleito vindouro será de muitas candidaturas ou tende a ser polarizada? Como ver a movimentação das pré-candidaturas?

MARCONE BORBA- Eu acredito que tenha várias candidaturas, não é. Até porque dentro da oposição, na última eleição tivemos dois candidatos… três candidatos. Nessa, a se fala na oposição em três, entre eles. E é bom para o município que tenha candidatos que acha que tem condições, até porque fica melhor, mais democrático a discussão de cada um. Então acho que pode existir mais de três candidaturas, pode existir tranquilamente três candidaturas não vejo como ter a polarização, até porque cada um tem seus interesses justos, legais, direitos e que defendem as bandeiras deles. …Vejo isso com muita tranquilidade e acredito que teremos quatro candidaturas, eu não vejo muitas pessoas da oposição se unir. Se for será uma surpresa para mim.

8- BEZERROS HOJE – É possível fazer uma avaliação dos governos que passaram por Bezerros nos últimos 15 anos?

MARCONE BORBA -Nos últimos 15 anos nós tivemos a administração de Lucas, vejo Lucas como um administrado visionário, um cara que tinha uma visão ampla, ele tinha uma visão futurista. Raciocinou Serra Negra e hoje é um sucesso, o governo do Estado criou o dia do papangu no domingo e Lucas incorporou, hoje também é um sucesso, entre outras ações, então Lucas pensou no Parque Industrial, então era um político largo de visão futurista. Samuel fez uma administração depois dele, quase três anos, e o que sentir de Samuel é que ele começou a transformar o município falando as coisas mais legalistas, você ver que o funcionário… Samuel fez o concurso e vejo que ele teve um papel importante na organização do município também. Nós tivemos depois a minha candidatura e que acho que fomos um tocador de obras, todas as ações que o município sonhou feito a estrada que liga Bezerros a Ameixa, a água – imagina hoje se nós não tivéssemos feito a adutora de Jucazinho, e reclamavam tanto que a água não prestava, água ruim é quando não tem água – ,  deixamos dinheiro para fazer a adutora nova de Brejão, começamos o saneamento do município, fizemos o canal do Salgado, começamos a asfaltar a cidade, demos uma dinâmica maior a saúde, então vejo a minha gestão como tocador de obras e pensando em trazer as ações para Bezerros. Veio à administração da prefeita Bete, que acho que foi frustrante, em vez dela dá continuidade a tudo isso não deixou marca nenhuma, aliás, deixou a marca que nem é bom comentar que foi todo aquele dissabores de problemas de Polícia Federal que infelizmente aconteceram. Acho que administração de Bete ela marcou pela frustração que todo mundo esperava, que o grupo que a elegeu esperava dela e, infelizmente, não tem uma marca. Branquinho hoje tem uma marca, recuperando o município, o município se destacando no cenário pernambucano e o nosso novo parque industrial, você vai ver hoje que a nossa expectativa é essa saída, a indústria para geração de emprego, que é o que o nosso município precisa. Está aí as indústrias se estabelecendo e outras chegando, infelizmente a gente não pode está anunciando porque pode se anunciar e não sair. A marca do seu governo será então a da empregabilidade. E não pode deixar de falar de Amaro Rufino que administrou o município. Porque vai se falar nos últimos 15 anos, mas foi um prefeito marcante no município que se destacou pela popularidade, junto a população mais carente, em fim… é a marca que eu vejo: Lucas um prefeito futurista pensando no futuro, Samuel um cara legalista organizando o município, eu me vejo como tocador de obras, a prefeita, infelizmente não tem uma marca é tanto que ela teve 17 mil votos e caiu para 7 mil, mostra que a população frustrou e a de Branquinho que se destaca pela Empregabilidade.

9-BEZERROS HOJE – Suas considerações finais.

MARCONE BORBA- Só tenho a agradecer mais uma oportunidade de está aqui e dizer que quando nós falamos de política, costumo dizer assim: eu não sou o dono da verdade, isso é uma visão minha. Me desculpem algumas pessoas que discordem. Aceito, o contraditório é salutar. Quando era prefeito que tinha alguma crítica dizia que a crítica boa era um instrumento de trabalho, então eu também tenho essa visão eu tenho o meu pensamento político, sei que nem todo mundo concorda e  isso é natural, o contraditório. Agradecer mais essa discussão política que é importante para o município, porque as pessoas que querem bem ao município devem trabalhar pelo município independente de terem mandato ou não, como estamos trabalhando. E deixar um grande abraços para vocês.

Share

DOS BASTIDORES DA POLÍTICA DE BEZERROS

RESUMO POLÍTICO DA SEMANA

O DECRETO

decretoUm decreto assinado pelo prefeito Branquinho (PSB) deve por fim ao barulho provocado todos os finais de semanas na Rua da Matriz. A medida ganha a simpatia da sociedade, mas também provoca a antipatia no segmento dos artistas e comerciantes, afinal, os show’s artísticos são uma forma de atrair a clientela e ganhar dinheiro. Contudo, não se pode afirmar que o que acontece  em pleno centro da cidade seja algo normal. Os comerciantes precisam voltar a explorar os ambientes internos dos seus estabelecimentos o que será até uma forma de atrair um público mais seleto. A prefeitura, por sua vez, poderá desenvolver um projeto cultural para também contribuir com a movimentação de pessoas de forma mais ordeira.  É preciso a sensibilidade de ambos os lados para que todos possam lucrar com a medida. A sociedade agradece!

ENTREVISTAS

O bezerroshoje continua com a série de entrevistas com personalidades da política local visando tornar público a movimentação política para as próximas eleições. Ontem, sábado (4), entrevistamos Josevânio Miranda, ex-secretário de Infraestrutura. Nas duas entrevistas da série uma observação importante: Enquanto o vereador Nivaldo Santino acredita na possibilidade de o prefeito vir a ser candidato, o entrevistado de ontem descartou tal possibilidade. Ambos, no entanto, gostariam que o Branquinho topasse mais um mandato.

SÃO JOÃO

Pena que a Empetur não tenha divulgado os destinos mais procurados pelos turistas durante o período junino no Estado em 2015. Não duvidamos de que o nosso São João, que já figurou a na 3ª posição, possa ter avançado para a segunda opção dos turistas. É notório que os festejos juninos da Serra Negra tenha ganhando visibilidade ano a pós anos, atraindo milhares de visitantes, inclusive de municípios vizinhos, onde há forte tradição.

PROJETO MOSCOUZINHO

11201860_838994316176615_6422738327847128550_nO diretor do projeto Cine Clube Moscouzinho nos enviou uma longa nota de esclarecimentos, explicando, entre outras coisas, a seriedade do projeto, inclusive sua filiação à Federação Pernambucana de Cineclubes – FEPEC – entidade sediada no Centro de Cultura Luiz Freire, que opera a partir de doações mensais espontâneas de seus membros. Sobre recursos públicos canalizados para o Projeto- “diga-se de passagem, projeto de manutenção cineclubista e formação de público para o Cine Teatro Samuel Campelo, equipamento cultural do Jaboatão dos Guararapes – o Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura – FUNCULTURA – deverá ser consultado através de sua fan page nesta rede social, pelo seu site ou outro canal que disponibiliza para tal finalidade. Igualmente nosso CNPJ está aberto para consultas junto à Receita Federal: 19.849.069/0001-12.”

Na última coluna, cobrávamos justamente a volta do projeto para Bezerros. Segundo a nota, “”Vale lembrar que neste exato momento, estamos entrando em contato com a Presidência da Câmara Municipal dos Bezerros para o estabelecimento de uma parceria institucional  (…) a população bezerrense poderá participar pela 2ª vez deste importante evento”.   Para ler a nota completa, basta se dirigir ao nosso mural de Recados ou clicar aqui

NÃO DEIXAR NO ESQUECIMENTO

11403404_840722799336802_8384106111895895047_nUm projeto político nasce de uma conversa informal. Assim aconteceu com a estrada de Serra Negra, que garante uma acesso digno tanto para os moradores quanto para os visitantes. O vereador Nivaldo sabe mais que ninguém que para garantir a ampliação do projeto de Serra Negra é só não deixar cair no esquecimento. O governador Paulo Câmara conhece a necessidade e esteve prestigiando o nosso São João. Agora é articular-se para viabilizar o projeto, que desta vez vai beneficiar a comunidade de Serra Nova e Sítio Boqueirão.

CURTAS

20150705105625>>>O ex-vice prefeito Jó Alves comemorando o seu aniversário de 66 anos neste sábado juntamente com a esposa e os seus três filhos.

>>>Fomos convidados para a posse do bezerrense Kleber Maranhão na vice-presidente da Federação Pernambucana de Futsal que acontece na capital no próximo dia 08.

>>>O cadastramento da biometria começou a ter acessibilidade esta semana na internet. Pelo menos pessoas informaram a redação que conseguiram se inscrever para o agendamento na internet. Tem uma hora do dia que o cartório eleitoral abre as vagas, dizem que é por voltas das 15h.

20150705111418>>> O ex-prefeito Marcone Borba e o filho Breno Borba, atual vice-prefeito e Secretário de Turismo, marcaram presença na famosa Trilha do Tomate, que é realizada anualmente no distrito de Sapucarana. Eles foram recepcionados pela liderança da comunidade, Zé de Manu, que já foi vereador.

>>>Se Bezerros estivesse com uma folha de pessoal mais ajustada, a nota sobre a Gestão fiscal divulgada pelo FIRJAN estaria bem mais apresentável. São raros os municípios que estão conseguindo cumprir com LRF.

>>>A pesquisa da Secretaria de Turismo sobre o São João de Serra Negra, inclusive refletindo dados da que foi realizada no Estado pela Empetur, mostra o sucesso do evento este ano. As atrações, embora não seja o carro chefe para os visitantes,  os nomes contratados incrementaram ainda mais os festejos e a aprovação foi quase unânime.

20150705105956>>> O vereador Tititi nos enviou a imagem, onde prestigia o tradicional São João da Rua da Pedra, que acontece neste final de semana no bairro São Pedro.

Share

BEZERROSHOJE ENTREVISTA JOSEVÂNIO DE MIRANDA, EX-SECRETÁRIO DE INFRAESTRUTURA

20150704052928
Imagem: arquivo pessoal

O bezerroshoje.com entrevista neste sábado Josevânio de Miranda Lima, 37 anos, ex-secretário de Infraestrutura de Bezerros. Josevânio, que também já foi presidente do PSDB de Bezerros, fala sobre o cenário político e também sobre a sua atuação nos bastidores da política de Bezerros. A entrevista, assim como a que foi realizada com o atual presidente da Câmara, Nivaldo Santino, também foi realizada via rede social. A série de entrevista promete dá holofotes as movimentações políticas visando as eleições de 2016.

Bezerros Hoje: Nas últimas eleições municipais você apareceu entre os protagonistas das articulações e nas estratégias de campanha tanto na proporcional quanto na majoritária. Por que essas características de bastidores?

Josevânio de Miranda: Sempre uso a linha de que quem tem que aparecer são os projetos e o momento que vive a cidade. Tenho a credibilidade de escutar as pessoas e a partir daí, com tranqüilidade, traçar as estratégias sempre pensando no grupo e o melhor para o município.

Bezerros Hoje: Você que participou da campanha da ex-prefeita Bete em 2008, foi convocado para ocupar um cargo naquele governo, mas houve logo um distanciamento posteriormente. No atual governo, onde também participou da campanha do prefeito Branquinho, chegou a ocupar uma pasta importante, a Infraestrutura, mas também preferiu entregar o cargo. Há alguma razão para  esses dois fatos?

Josevânio de Miranda: Foram situações distintas. Fui eu e Zé Antônio da Rádio que articulamos nos bastidores para que acontecesse o encontro entre Bete e Inocêncio Oliveira em 2005, desse encontro saiu à dobradinha nas eleições de 2006 que fortaleceu Bete para as eleições em 2008. Participei da coordenação da campanha e em 2009 fui convidado para participar do segundo escalão, saí depois de seis meses por discordar de algumas decisões da gestão. Em outubro de 2010 fui convidado pela prefeita para voltar para gestão, agradeci e falei que não acreditava mais no rumo da sua administração.  No final de 2011, antes de qualquer contato com Branquinho, comecei com alguns amigos a articular o seu nome na posição de um forte  candidato, pois a nossa cidade vivia uma situação politicamente horrível e carente de bons nomes. Em Abril de 2012, junto com o meu amigo e irmão Gabeira tivemos o primeiro contato com Branquinho, conversamos por algumas horas e tive a certeza que o grupo teria um grande nome para disputar as eleições. Na época, pessoas simpatizantes do Governo Bete falavam que Domingos, filiado ao nosso partido, seria o vice dela, mas numa reunião entre eu, Gabeira, Joaquim Neto e Sérgio Guerra, resolvemos a situação e apoiamos a candidatura de Branquinho. Tive a honra de trabalhar na Secretaria de Infraestrutura e fazer um bom trabalho na opinião de uma grande parte da população. Depois de um desentendimento com o vice-prefeito entreguei o meu cargo ao gestor. Fato que depois foi resolvido, mas ninguém poderia voltar atrás nas decisões.

Bezerros Hoje: Há alguns anos que você presidia o PSDB em Bezerros, inclusive com a eleição de um vereador no município. Mas um repentino convite o fez migrar para o PSB do ex-governador Eduardo Campos juntamente com algumas lideranças locais. Hoje especula-se a sua volta ao PSDB. O que deu errado?

Josevânio de Miranda: Nada. Tudo na política é momento. Cheguei ao PSDB em 2007 para o projeto ‘Bete 2008’. Era uma campanha difícil que tivemos dificuldade até na formação da chapa, resolvemos, ganhamos as eleições para prefeito, mas infelizmente não elegemos nenhum vereador do partido. Depois o PSDB de Bezerros foi convocado para fazer parte da campanha de Joaquim Neto e Sérgio Guerra nas eleições de 2010, onde conseguimos dar uma votação expressiva para nossos candidatos. O que fizemos em 2010, nos credenciou para as eleições de 2012, onde Gabeira teve uma votação espetacular para vereador. Quando era secretário fui convidado pelo PSB municipal e pelo Prefeito Branquinho para me filiar ao PSB, pedido que foi reforçado, na época, pelo Secretário das Cidades Danilo Cabral, onde juntos conseguimos o projeto para calçar diversas ruas no Bairro Nossa Senhora da Conceição . Eu também enxergava em Eduardo Campos uma grande liderança, um político com todas as credenciais e condições de ser presidente da república, infelizmente esse sonho foi interrompido no dia 13 de agosto. Por isso estou saindo do PSB, partido expressivo, e voltando para o PSDB para fazer parte de um projeto regional da legenda.

Bezerros Hoje:  Ano pré eleitoral é geralmente de grande movimentação nos bastidores da política. Já dá para projetar algum cenário para 16 ou esse quadro ainda será moldado a partir dos diálogos?

Josevânio de Miranda: Eu, particularmente gostaria muito que Branquinho fosse candidato a reeleição, ele sabe disso, pois já tínhamos conversado muito sobre o assunto. Hoje, infelizmente acredito que ele não é candidato. Por isso torço que apareça um nome com as mesmas características dele: trabalhador, justo, experiente, com conhecimento administrativo e na vida pública; que possa fazer o nosso município seguir no caminho do desenvolvimento.

Bezerros Hoje: Qual sua avaliação do Governo Branquinho. Ele tem correspondido às expectativas?

Josevânio de Miranda: Eu que já assessorei vários prefeitos e tive a honra de fazer parte do Governo Branquinho, sei o quanto foi difícil arrumar a casa e posso responder tranquilamente, fez mais do que podia. O país hoje vive um desgoverno que piora a cada dia, que afeta diretamente os estados e principalmente os municípios. Bezerros passou muito tempo sem grandes investimentos e, os projetos que o prefeito conseguiu junto ao Governo do Estado vai mudar o futuro da nossa cidade.

Bezerros Hoje: Em 2016 existe a possibilidade de você se candidatar a algum cargo eletivo?

Josevânio de Miranda: Hoje, eu não posso dizer que isso não irá acontecer, pois nós do partido estamos num processo de fortalecimento e planejamento da nossa legenda, onde haverá grande possibilidade de lançarmos candidato a chapa majoritária.

Bezerros Hoje: Considerações finais…

Josevânio de Miranda: A população bezerrense é extremamente batalhadora, acolhedora, solidária, prestativa. Mas, infelizmente uma grande parte, só se orgulha de Bezerros nos períodos juninos e carnavalescos. Um grande sonho meu seria ver esses cidadãos participando mais ativamente das transformações que ocorrem na nossa cidade, tendo a oportunidade de opinar, de trabalhar, de educar seus filhos, tendo todos os direitos garantidos, para que assim, tivessem a alegria de fazer parte do nosso município todos os dias.

Share

PRÉ CANDIDATO NEGUINHO PRESTIGIA SÃO JOÃO DE SERRA NEGRA

11666082_986598324705064_4937447660213668429_nO pré-candidato a prefeito de Bezerros, o empresário e ex-vereador Neguinho de Israel, esteve prestigiando o último dia do São João de Serra Negra. Ele estava acompanhado da esposa Claudia Brainer e posou para fotos com amigos. O assunto que permeou a festa, foi sem dúvida, a sucessão municipal. Em conversa rápida com a nossa equipe, Neguinho se disse firme em levar a diante a sua ideia de candidatura a prefeito. A imagem foi cedida por Júlio Silva, que já fez campanha para o pré candidato em sua rede social. “Olha aí o nosso futuro prefeito e nossa primeira dama em 2017 em nome de Jesus..”, postou.

Share

NIVALDO SANTINO ABRE SÉRIE DE ENTREVISTAS AOS SÁBADOS

561410_112779302200644_288891545_n
O presidente da Câmara de Vereadores, Nivaldo Santino, concedeu entrevista via rede sooial

A redação do bezerroshoje.com resolveu iniciar uma série de entrevistas com personalidades do município. A ideia é abordar temas relativos a municipalidade, objetivando jogar ainda mais holofotes sobre o que se passa nos bastidores da política e da sociedade. Será um amplo e democrático espaço de discussão, com objetivo de observar o ponto de vista de cada convidado. O entrevistado hoje é o atual presidente da Câmara de Vereadores, Nivaldo Santino, o popular Nivaldo da Caixa, que também responde pelo PSB no município.

1-BEZERROSHOJE-Qual o atual cenário do PSB hoje em Bezerros?

Nivaldo Santino: Defende a reeleição do Prefeito Branquinho. Se ele resolver não disputar, lançaremos candidato em nome do grupo.

2- BH- Há nomes comentados.O que pesará na hora da escolha, caso o prefeito não aceite a reeleição?

Nivaldo Santino: Temos bons quadros. O nome que surge naturalmente é o do Vice Breno Borba. Um outro é o do advogado Paulo, temos outros nomes que podem surgir no processo.

3-BH-O Sr. costuma afirmar que a casa legislativa é um local de dissenso, mas observamos certos comportamentos corporativistas, a exemplo da decisão da última legislatura em não aprovar o aumento de vereadores. Essa ideia terá novamente resistência na casa?

Nivaldo Santino:O fato de os vereadores da época não terem aumentado as vagas não quer dizer que foi uma decisão corporativa. Se você observar, a opinião pública e setores da imprensa, geralmente defendem o número mínimo. Acho que, em havendo discussão, a decisão por mais ou menos é legítima.

4-BH-A Câmara de Vereadores, através de sua pessoa na presidência, avançou no sentido da transparência e também no acesso aos trabalhos da casa, com transmissões inclusive ao vivo pela internet. Essas mudanças atingiram suas expectativas no tocante a participação da sociedade?

Nivaldo Santino: Gostaria que a sociedade fosse mais participativa. Temos novas estratégias para nos aproximarmos mais da sociedade. No entanto, avançamos.

5-BH-Qual sua avaliação do governo Branquinho. Ele tem correspondido as expectativas?

O governo Branquinho será um marco na história política de Bezerros. Temos que entender que o país vive uma grande crise, com enorme repercussão nos municípios. Mas o governo atual conseguiu atrair investimentos altamente significativos, na ordem de 100 milhões de reais. Isso é algo extraordinário e certamente mudará nossa história.

6-BH-O Sr. vislumbra uma nova missão política no partido ou deve caminhar em busca de um novo mandato no legislativo?

Presido o partido no município e a minha missão é conduzir o processo, no âmbito do partido, da melhor forma. Entendo, porém, que o condutor político é o prefeito Branquinho. Nesse sentido, creio que não devo apresentar projetos pessoais, aguardaremos o desenrolar dos fatos e somente depois das coisas alinhadas tomaremos posição, em conjunto com o nosso grupo.

7-BH- Considerações finais…

Todo ano que precede uma eleição é farto em especulações. Isso é bom. Mas estamos tranquilos e certos de que o processo se dará da melhor forma e que Bezerros não sofrerá atropelos no curso desenvolvimentista.

Share

BEZERROS: TAXAS COBRADAS PARA AGENDAMENTO BIOMÉTRICO SÃO ABUSIVAS

16982843
QUEM NÃO FIZER O RECADASTRAMENTO BIOMÉTRICO NÃO PARTICIPARÁ DAS ELEIÇÕES DE 2016

Bezerros é uma das cidades que entra na lista dos municípios onde haverá o cadastramento biométrico, visando as eleições de 2016. Até o momento, pouco mais de cinco (5) mil pessoas das 46 mil inscritas na 35ª zona eleitoral realizaram a tarefa.  Há uma lentidão clara do Tribunal Regional Eleitoral que deve complicar à medida que se aproxime o prazo final, que  será 16 de março de 2016.

Mesmo disponibilizando o agendamento online, as novas vagas agora só estarão disponíveis para o mês de junho. A quantidade não foi informada pelo chefe do cartório eleitoral, Anderson Mendes Ferreira, em entrevista a Bezerros FM.

E não há uma outra alternativa, eleitores da zona rural e pessoas que não dispõe da internet devem fazer o mesmo processo. Entram aí os atravessadores, como a CDL Bezerros, que realiza o serviço mediante uma taxa que chega até  quatro reais, valor considerado abusivo pelo chefe do cartório eleitoral. Ele aconselha que as pessoas procurem os cyber’s café, que são as famosas lan house, onde o serviço pode ser realizado por até R$ 1.

Qualquer pessoa pode fazer o agendamento dela e de familiares. O bezerroshoje.com já disponibiliza o link diretamente para a página onde é feito o agendamento, resta saber quando o TRE resolverá atender a demanda que está chegando.

>>>>O bezerroshoje.com fará um comentário a respeito do processo no próximo domingo, inclusive com os ‘atravessadores’ que foram aconselhados a realizarem o trabalho, como vereadores e líderes comunitários. 

 

Share