NÃO SOMOS LIVRES

A grande mágica da vida – inclusive para a nossa felicidade e prosperidade – está em saber e aceitar que não somos completamente livres.

Ah, eu sei, alguns – poucos por sinal – não gostam e não querem sequer ouvir esse enunciado, mas, para mim, aquela a verdade que faz a diferença.

A arte de bem viver está em compreender com a devida profundeza que, na vida em sociedade, não somos, não podemos e não devemos ser completamente livres.

Isso é um insulto? Não, é uma realidade. Quem prega o contrário, engana! Todos têm direitos, sim, e são muitos, mas também têm obrigações, muitas delas oriundas do próprio direito natural, que não está escrito.

Na verdade, não somos livres quando nascemos porque (naturalmente e legalmente) dependemos completamente dos nossos pais.

Não somos livres no lar paterno porque também devemos obedecer aos ditames e às orientações dos nossos pais.

Não somos livres quando vamos à igreja, à escola etc. porque devemos obedecer as suas regras.

Não somos livres como empregados porque devemos observar as normas da empresa e às ordens do patrão.

Não somos livres como empregadores porque temos normas, regras e regulamentos que devem ser cumpridas.

Não somos livres como empresários porque devemos atender as normas regulamentares e satisfazer as necessidades e interesses dos clientes.

Não somos livres no casamento porque devemos com naturalidade aceitar as diferenças, compreender as vicissitudes e dar satisfação.

Finalmente, não somos completamente livres na vida em sociedade porque há regras e normas que devem ser observadas e obedecidas.

Tais regras – da vida em sociedade – estão baseadas no princípio simples, natural e legal de que o direito de um termina quando começa o do outro.

Em suma, para viver bem em sociedade basta apenas isso: respeitar o direito do outro.

Portanto, quem se adapta facilmente a esse enunciado – respeitar o direito do outro, dando a cada um o que é seu; sendo justo, correto e honesto – consegue ser respeitado, ter prosperidade e ser muito feliz.

Simples assim.

Paulo Alves da Silva é Advogado

Último artigo publicado: O CONGRESSO NACIONAL CUSTA R$ 1,1 MILHÃO POR HORA

Entre em contato com Paulo Alves através do facebook

Share

One comment

Comments are closed.