VIGÁRIO DEFENDE FIM DA ESCRAVIDÃO

padreA esse Vigário da Matriz de São José toda comunidade bezerrense – sem distinção de credo religioso – deve aplaudir de pé, prestar as melhores homenagens pela sua brava atuação, graças pela sua luta em defesa dos menos favorecidos, não ficou no púlpito apenas pregando a palavra de DEUS, muito mais, praticou ao vivo o que Jesus deixou gravado nas Santas Escrituras. Assim que chegou em Bezerros, nos idos de 1859, logo procurou conhecer o estado social da sua nova paróquia, nas missas exaltava a humildade, a irmandade entre as pessoas, buscou conhecer todos os proprietários da região, visitou, sempre montado em seu cavalo, e nas visitas ia sempre coletando dados sobre a situação das senzalas, via “in loco” o sofrimento dos escravos, e durante as missas matinais, citava o horror do escravismo, sempre afirmando “Se Jesus sofreu no calvário, o escravo sofre atos desumanos nas senzalas”, e acrescentava – ” O ato desumano anula a religiosidade dos escravistas, é preciso mudar a situação”, e foi aí que nasceu uma grande ideia, ele organizou uma sociedade secreta denominada “ASSOCIAÇÃO DO ESPIRITO SANTO”, obtendo assim ajuda dos próprios escravistas católicos, e foi muito além, abaixo do Altar do Santíssimo, que fica na esquerda da entrado do templo, abriu um esconderijo para abrigar escravos que fugiam, e em determinada madrugada eram enviados para a região das sapucaias e de lá seguiam para Palmares. Seu sermão durante a missa era claramente entendido que o CÔNEGO TRAJANO era um defensor da extinção da escravidão. Chegou a ter conflitos com o coronel José Joaquim Bezerra e Silva, proprietário do ENGENHO BOA VISTA, um dos mais ferrenhos escravista dos Bezerros. Aí será outra história.
Por ato de justiça os restos mortais do CÔNEGO TRAJANO FIGUEIREDO DE LIMA, falecido em 1893 e sepultado no Cemitério do Rosário, deveria ser transladado para a MATRIZ DE SÃO JOSÉ. Um ato de homenagem ao nosso ABOLICIONISTA !!!!

Ronaldo J Souto Maior-Historiador

Share

Leave a Reply